fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Economia

Mercado imobiliário do DF tenta superar crise

Desempenho de abril fechou acima do esperado, puxado por compras de unidades do Minha Casa Minha Vida

Vítor Mendonça

Publicado

em

Foto: Vítor Mendonça/Jornal de Brasília
PUBLICIDADE

Vítor Mendonça
redacao@grupojbr.com

O Índice de Velocidade de Vendas (IVV) de abril do mercado imobiliário no Distrito Federal, contrariando a baixa expectativa da presidência da associação de empresas do setor (Ademi/DF), fechou em 5,2%. IVV é o método utilizado para aferir a rapidez na aquisição de novos empreendimentos imobiliários pelos consumidores. Acima de 6% é considerado bom, mas abaixo de 5%, ruim. O resultado do mês passado, portanto é considerado regular. Em março, o índice foi de 6,6%

De acordo com o Eduardo Aroeira, presidente da instituição, o resultado traz otimismo para o mercado e se deu pelas compras das unidades do segmento econômico, especificamente aqueles abaixo de R$ 250 mil, isto é, o Minha Casa, Minha Vida.

“O mercado para esse público se recuperou mais rápido e fez com que o número crescesse”, afirmou o presidente. “Eles ainda sentiram a necessidade e importância de comprar. Acredito que essa crise estimulou o cliente na busca de um novo imóvel, já que esse costuma ser o primeiro de muitas pessoas. Talvez a crise os tenha alertado da necessidade da compra de uma boa residência”, complementou Aroeira.

Durante a pandemia, no entanto, não houve novos lançamentos na capital federal. Atualmente, são 2.600 unidades vazias no mercado, mais de 70% abaixo do comum, com cerca de 9 mil estão disponíveis. Foram vendidas 139 unidades em abril, sendo 45,3% em Santa Maria, 21,6% em Planaltina e 13,7% no Noroeste.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sites ajudam

Apesar da crise, sites especializados do setor imobiliário ajudam a minimizar os baixos índices apresentados no DF. De acordo com levantamento do portal DF Imóveis sobre o comportamento dos consumidores, o número de buscas por vendas e aluguel de residências aumentou em 53%, superando índices de novembro do ano passado e do carnaval. De 10 a 16 de maio, pouco mais 1,166 milhão de pessoas pesquisaram no site.

Um dos tráfegos deste período nos sites de pesquisa foi o de Alex Cançado, 30, que sentiu a necessidade de mudar de apartamento recentemente. De acordo com o contador, o lugar onde vive atualmente não é o ideal para as necessidades dele e de sua irmã, vinda do Rio de Janeiro para atender em clínica médica em um hospital do DF.

“Atualmente moro em uma quitinete no Setor Policial Sul e dei preferência para apartamentos no Sudoeste. Nessa região, minha irmã vai até conseguir ir à pé para o trabalho, então deu certo de escolhermos lá, onde queríamos”, comentou. Segundo Alex, falta pouco para fechar o negócio, após várias pesquisas feitas neste período da pandemia do novo coronavírus.

De acordo com ele, a necessidade da mudança falou mais alto que o receio de contrair a covid-19. Segundo Alex, antes mesmo da pandemia, mantinha hábitos de higiene, como o uso constante de álcool em gel. “Agora só intensificou um pouco mais e tenho usado a máscara. O custo-benefício vai ser maior.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com o presidente da Ademi/DF, este tipo de comportamento é o que provavelmente balanceará o momento de crise, histórico segundo ele. A perspectiva é que o IVV de maio deverá apresentar significativa melhora com relação ao mês de abril. “Isso acontece principalmente por meio da busca on-line. Os clientes têm evitado sair de casa e têm conhecido os imóveis e empreendimentos pela internet. Temos notado uma maior efetividade deles quando vão à construtora ou imobiliária, que tem sido para adquiri-los”, avalia Aroeira.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade