fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Economia

Gasolina adulterada importada pela Petrobras leva a suspensão de voos da aviação executiva

O problema não afeta a aviação comercial, já que os aviões movidos a turbinas utilizam outro combustível, o querosene de aviação

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Nicola Pamplona
Rio de Janeiro, RJ

Problemas de qualidade em combustível de aviação importado pela Petrobras já provocam desabastecimento em ao menos 19 aeroportos brasileiros, limitando a operação de pequenas aeronaves por todo o país. As vendas do produto foram interrompidas pela Petrobras no sábado (11), depois de alertas feitos por pilotos e proprietários de aviões.

Eles identificaram corrosão e derretimento de peças do sistema de combustível dos aviões, levando a Aopa (Associação dos Pilotos e Proprietários de Aeronaves) a emitir no sábado recomendação para suspender as operações de aviões e helicópteros de pequeno porte.

O problema não afeta a aviação comercial, já que os aviões movidos a turbinas utilizam outro combustível, o querosene de aviação. Mas cria dificuldades para aviação executiva, pulverização de defensivos agrícolas e empresas que fazem aviação médica.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Até o momento, não há relatos de acidentes causados pelos problemas na gasolina, mas especialistas no setor suspeitam que o problema possa estar por trás da queda de uma pequena aeronave perto do campo de Marte, em São Paulo, na última quarta (8), deixando uma vítima fatal.

Em nota, a Petrobras informou que interrompeu preventivamente as vendas de um lote de gasolina de aviação importada depois que testes realizados em seu centro de pesquisas identificaram a presença de componentes químicos diferentes dos verificados em lotes anteriores.

“A Petrobras estuda a hipótese da variação da composição química ter impactado os materiais de vedação e revestimento de tanques de combustíveis de aeronaves de pequeno porte”, escreveu a empresa, defendendo, porém, que o produto atende às especificações da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis).

Os alertas de pilotos começaram em junho, em redes sociais e grupos de Whatsapp que reúnem colegas de profissão. Em vídeos, mostravam peças danificadas e acúmulos de sujeira em partes do sistema de combustível das aeronaves. Na quarta, a Aopa emitiu uma primeira nota sobre o tema, recomendando maior rigor nas inspeções.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A entidade solicitou à Petrobras, via Lei de Acesso à Informação, detalhes sobre o lote que apresentou problemas, como a origem, como foi feito o transporte e para quem foi vendido no Brasil. Pediu ainda os resultados dos laudos de conformidade do combustível.

O piloto e advogado especialista em direito aeronáutico Rodrigo Duarte diz que a legislação determina que amostras de combustível seja analisadas em todas as instalações pelas quais o produto passa. “São muitos testes e nenhum desses testes apontou a presença do contaminante”, diz ele.

O Brasil não produz gasolina de aviação desde 2018, quando a única unidade de refino que fazia o produto, localizada em Cubatão (SP), entrou em obras. Assim, todo o fornecimento é importado e, portanto, passa por navios, terminais de importação, tanques e caminhões até chegar ao consumidor final.

A ANP e a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) criaram um grupo de trabalho para investigar o problema. No texto, a Anac recomenda que proprietários que tenham verificado histórico ou evidências de contaminação “busquem imediatamente uma oficina de manutenção aeronáutica credenciada”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Até esta segunda (13), a agência que regula o setor aéreo diz ter recebido 67 relatos de problemas relacionados à contaminação do combustível. “Todo esse trabalho de mapeamento dos riscos para a aviação geral vem sendo feito em estreita parceria com a Aopa e com outros grupos do setor”.

Como os relatos vêm de todo o Brasil, o setor suspeita que a contaminação tenha ocorrido antes da entrega do produto às distribuidoras pela Petrobras. Nesta segunda, BR Distribuidora, Raízen e Air BP anunciaram a suspensão das vendas dos volumes que mantém em seus tanques pelo país.

O Comaer emitiu 19 boletins nesta segunda sobre falta do produto em aeroportos brasileiros, mas o setor diz que o número de afetados é maior. Empresas de aviação agrícola dizem que o efeito da crise é amenizado pelo fato de que o país está em entressafra, com a maior parte das aeronaves em solo.

Procurado pela Folha, o Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) disse que as investigações sobre a queda da aeronave em São Paulo na semana passada ainda estão em curso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As informações são da FolhaPress




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade