Siga o Jornal de Brasília

Economia

Falta de planejamento faz brasileiro gastar mais na semana do dia das crianças

Segundo dados da Fecomércio, 86% dos consumidores vão as compras na semana do Dia das Crianças e 13,4% apenas compram com antecedência

Publicado

em

Publicidade

Essa época do ano é sempre um terror para os pais. Um passeio no shopping com os filhos pode custar caro pela infinidade de opções que a data festiva para as crianças pode oferecer. Para isso, é sempre muito importante ficar atento às finanças pessoais para não ficar no vermelho no final do mês.

Para Ciro Almeida, economista da G2W Investimentos, é muito importante que as pessoas tenham as rédeas do seu orçamento financeiro doméstico: “Nós orientamos os cidadãos a terem uma perspectiva a curto, médio e longo prazo das suas despesas, para trazer um panorama de melhoria na própria qualidade dos gastos. Infelizmente, muitas vezes esquecemos de mensurar o quanto desembolsamos com presentes em datas comemorativas, então é importante ter essa perspectiva de médio prazo do ano para que o cidadão tenha o seu planejamento anual de orçamento”, aponta.

O economista garante que o segredo está na organização. Pesquisar antes para comprar com uma certa antecedência pode fazer uma diferença enorme na economia, principalmente porque nessa época os preços dos presentes costumam subir.

Segundo dados da Fecomércio, 86% dos consumidores vão as compras na semana do Dia das Crianças e 13,4% apenas compram com antecedência. Os outros 0,5% compram após a data, esperando promoções.

“Sempre que se compra em cima da hora, em geral é mais caro. São as armadilhas do consumo. Existe uma corrida pelos presentes, as lojas se preparam. Só que o consumidor tem que pensar no seu orçamento, qual é a sua capacidade de gasto e adequar isso a sua restrição orçamentária”.

Quando se fala em planejamento para as datas festivas, não significa que é de um mês para o outro. Almeida explica ainda que precisamos entender que esse tipo de preparação deve ser feita logo no começo do ano, para já deixar separada a quantia que inevitavelmente será utilizada com esse tipo de despesa:

“Quando colocamos na ponta do lápis, esse tipo de gasto anualizado é um valor que pode ser substancial, principalmente quando a compra é por impulso. E quando isso ocorrer, procurar alternativas como oferecer um passeio ou uma coisa mais pessoal do que um presente em si, pode ser uma ótima saída”, finaliza.


Você pode gostar
Publicidade