fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Economia

Dólar cai 3,8% na semana com entrada de capital externo no Brasil

No fechamento, o dólar à vista terminou em queda de 0,30%, cotado em R$ 5,1246. O dólar futuro para janeiro terminou em leve alta de 0,05%, a R$ 5,1555

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

O dólar acabou fechando a sexta-feira, 4, em queda e acumulou desvalorização de 3,8% na semana, a terceira seguida de perdas para a moeda americana ante o real e a maioria das divisas mundiais. A crescente expectativa por um acordo em Washington para um pacote de estimulo fiscal, reforçada hoje pelos dados abaixo previsto do mercado de trabalho americano em novembro, fez o dólar testar novas mínimas mundiais esta semana, com algumas moedas, como o franco suíço, caindo ao menor nível em 5 anos. No Brasil, a entrada de fluxo para a Bolsa persiste em dezembro e hoje ajudou a suavizar a pressão pela moeda americana no mercado à vista, que é comum nesta época do ano para remessas de juros e dividendos, por empresas e fundos.

No fechamento, o dólar à vista terminou em queda de 0,30%, cotado em R$ 5,1246. O dólar futuro para janeiro terminou em leve alta de 0,05%, a R$ 5,1555.

Apesar da queda nas últimas semanas, no ano, porém, o dólar ainda acumula alta de 28% ante o real. O Banco Mizuho calcula que o real continua subvalorizado em relação ao dólar em cerca de 6,70%. O estrategista-chefe do Mizuho, Luciano Rostagno, comenta, em nota, que a explicação para esse desempenho fraco do real é a “posição fiscal frágil do Brasil”. Se a agenda de reformas andar, ele prevê valorização da moeda brasileira, com o dólar encerrando 2021 a R$ 4,90.

Apesar das preocupações fiscais, os preços atrativos dos ativos do Brasil e de outros países da América Latina acabaram falando mais alto e atraindo investidores para a região, ressalta o economista-chefe para a América Latina do ING, Gustavo Rangel. “As preocupações fiscais ainda permanecem elevadas, mas surgiram perspectivas de um cenário mais construtivo na medida em que o governo e o Congresso permanecem comprometidos a ajustar as contas fiscais em 2021”, reforça Rangel, em relatório a investidores. O economista prevê que o dólar vai seguir acima de R$ 5,00 ao longo de 2021.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O fluxo segue comandando os negócios no mercado de câmbio”, ressalta um gestor de multimercados, destacando que os fundos estão reduzindo de forma crescente apostas contra o real no mercado de derivativos da B3. Na Bolsa, o fluxo está positivo em R$ 1,4 bilhão este mês. Com isso, após operar parte do dia em alta, o dólar passou a cair no final da tarde e atingiu a mínima de R$ 5,11. O Credit Default Swap (CDS) de cinco anos do Brasil, termômetro do risco-país, caiu a 152 pontos hoje, no menor nível desde o início de março.

Estadão Conteúdo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade