fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Economia

Com pandemia, dívida pública chega a 85,5% do PIB em junho

Dívida bruta brasileira pode fechar 2020 em 100% do PIB, segundo estimativas da equipe econômica

Avatar

Publicado

em

Foto: Agência Brasil
PUBLICIDADE

Larissa Garcia
Brasília, DF

Sob o efeito da pandemia do novo coronavírus, a dívida pública chegou a 85,5% do PIB (Produto Interno Bruto) em junho, aumento de 3,6 pontos percentuais em relação ao mês anterior, segundo dados divulgados pelo Banco Central nesta sexta-feira (31).

Com o aumento de gastos públicos em razão da crise sanitária, a dívida bruta brasileira pode fechar 2020 em 100% do PIB, segundo estimativas da equipe econômica.

Em 2019, o endividamento estava em 75,8% do PIB. A dívida líquida, que desconta os ativos do governo, também foi impactada pela piora fiscal e alcançou 58,1% do PIB em junho, aumento de 3 pontos em relação a maio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As contas públicas registraram no primeiro semestre rombo de R$ 407,7 bilhões. O valor é 3,18 vezes maior que a fixada em lei, de R$ 127,9 bilhões, para 2020.

Com o decreto de calamidade pública, no entanto, o governo foi autorizado a extrapolar esse montante.

O rombo equivale a 6,38% do PIB. Apenas em junho, o déficit primário foi de R$ 188,7 bilhões, maior da série histórica, iniciada em 2001.

O resultado primário indica a capacidade do governo de pagar as contas, exceto os encargos da dívida pública. Se as receitas são maiores que as despesas, há superávit. Caso contrário, há déficit.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesta quinta-feira (30), o Tesouro Nacional divulgou um rombo recorde de R$ 417 bilhões no primeiro semestre deste ano. O resultado é o pior para o período da série histórica, que teve início há 23 anos.

Os números divulgados pelo Tesouro e pelo Banco Central têm metodologias diferentes. A autoridade monetária utiliza o cálculo “abaixo da linha”, que leva em conta a necessidade de financiamento do setor público descontando os juros da dívida.

O Tesouro calcula os dados fiscais “acima da linha”, que são receitas menos despesas, exclusive juros.

As informações são da FolhaPress.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade