fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Economia

Bolsonaro recomenda que usuários de cheque especial migrem para a Caixa

“Pessoal, vem para Caixa, pô, já que você quer entrar no cheque especial. Se você não quiser, tudo bem, continua no seu banco aí”, disse.

Lindauro Gomes

Publicado

em

PUBLICIDADE

Da Redação
[email protected]

Em transmissão ao vivo pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) fez uma série de propagandas para a Caixa Econômica Federal, que é um banco estatal.

Ao lado do presidente da instituição, Pedro Guimarães, Bolsonaro recomendou que os correntistas que utilizarem o limite do crédito especial migrem para a Caixa.

“Pessoal, vem para Caixa, pô, já que você quer entrar no cheque especial. Se você não quiser, tudo bem, continua no seu banco aí”, disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Eu, graças a Deus, nunca tive [cheque especial]. Ah, o cara é deputado federal? Não, não, não. Calma lá. Desde o meu tempo de tenente, capitão, três filhos naquela época, filhos pequenos também, nunca entrei em cheque especial, não. Eu acho que quem precisa, tudo bem, e todo mundo reclama de chefe especial. Reclamam inclusive porque a taxa Selic diminui, e lá na ponta, nada“, afirmou.

Guimarães então disse espontaneamente não ter sofrido qualquer pressão de Bolsonaro ou do ministro Paulo Guedes (Economia) para reduzir os juros do banco. Ele prometeu que se a taxa básica de juros da economia –a Selic– diminuir, ele dará continuidade a uma política de cortes.

No passado, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) foi criticada por sua política de juros dos bancos públicos.

Nesta terça (12), a Caixa anunciou o corte pela metade a taxa de juro do cheque especial em um momento em que Banco Central e governo vem pressionando os grandes bancos brasileiros a repassar a queda da Selic para consumidores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A partir de dezembro a taxa será reduzida de 9,99% para 4,99%, segundo comunicado divulgado pelo banco nesta terça-feira (12). Na média, segundo dados do BC, o juro do cheque especial do banco era de 9,41% na semana encerrada em 29 de outubro.

Bolsonaro ainda fez um alerta dizendo que mesmo os juros do cheque especial da Caixa estarem em 4,99% ao mês, menos da metade do cobrado por instituições privadas, é um preço alto.

“É por mês, em pessoal, é salgado. A taxa Selic tá 5% ao ano”, disse.
O presidente encerrou a live cantando uma antiga propaganda da Caixa e brincando que Guimarães deveria contratá-lo.

“Vem para Caixa você também, vem”, brincou.

O anúncio vem uma semana depois de o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmar que lançará, em breve, um projeto para redesenhar o cheque especial. Dentre as possibilidades, a autoridade monetária estuda a criação de uma tarifa mensal, que seria cobrada pelos bancos dos clientes que quiserem acesso a uma linha emergencial. Essa situação é proibida atualmente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o Banco Central informou, porém, que discute o projeto com bancos e não há nenhuma decisão concreta sobre como esse redesenho se dará.

Os 9,99% já eram mais baixos que a taxa média cobrada pelos bancos privados e fizeram parte de uma primeira rodada do banco público de corte de juros cobrados de seus clientes. A taxa média do cheque especial é de 12,4% ao mês, a mais cara do sistema financeiro. Já a Selic está em 5% ao ano, o menor patamar a história. O custo do cheque especial pouco se mexeu desde que a taxa básica de juros entrou em queda.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade