Siga o Jornal de Brasília

Economia

Aposte as suas fichas profissionais nos robôs

Mapa do Trabalho mostra que potencial de futuras vagas relaciona-se a processos robotizados

Publicado

em

Publicidade

Rudolfo lago
rudolfo.lago@grupojbr.com

Guarde na cabeça as “Três Leis da Robótica”, estabelecidas pelo gênio da ficção científica Isaac Azimov. “1ª Lei: Um robô não pode ferir um ser humano, ou, por inação, permitir que um ser humano sofra algum mal. 2ª Lei: Um robô deve obedecer às ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens entrem em conflito com a primeira lei. 3ª Lei: Um robô deve proteger sua própria existência, desde que tal proteção não entre em conflito com a primeira e a segunda leis.”

O mundo imaginado por Azimov no seu conto Eu, Robô, de 1939, vai cada vez mais se tornando realidade. Constatação de que a convivência com esses seres mecânicos de inteligência artificial é cada vez maior é o Mapa do Trabalho Industrial, divulgado hoje pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

De acordo com o Mapa do Trabalho, a profissão com maior potencial de crescimento até 2023 é justamente à que se relaciona com a condução de processos robotizados. Ou seja: exatamente os profissionais qualificados para conduzir a substituição da mão de obra humana pelos robôs.

Publicidade

De acordo com o levantamento, estima-se que a ocupação de condutor de processos robotizados apresentará a maior taxa de crescimento percentual do número de empregados até 2023: 22,4% das vagas hoje disponíveis, enquanto o crescimento projetado para todas as ocupações industriais é de 8,5%.

Tecnologia

O Mapa do Trabalho mostra a importância cada vez maior da tecnologia de ponta na oferta de trabalho. Estima-se que o Brasil terá de qualificar 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais de nível superior, técnico, qualificação profissional e de aperfeiçoamento até 2023.

A área que mais vai demandar maior formação é exatamente a de ocupações transversais (onde exatamente se enquadram, entre outros, os operadores de robôs). A estimativa é da necessidade de formação de 1,7 milhão de novos trabalhadores. Em seguida, vêm profissionais de metalmecânica (1,6 milhão), construção (1,3 milhão), lógica e transporte (1,2 milhão), alimentos (754 mil), informática (528 mil), eletroeletrônica (405 mil) e energia e telecomunicações (359 mil). Profissionais com qualificação transversal trabalham em qualquer segmento, como profissionais de pesquisa e desenvolvimento, técnicos de controle da produção e desenho industrial.

Mundo tecnológico é a base do novo emprego

Em relação aos novos empregos, o Mapa do Trabalho Industrial aponta que as maiores taxas de crescimento serão justamente de profissões que têm a tecnologia como base (veja quadro abaixo). Além dos condutores de processos robotizados, está na mesma linha o potencial de crescimento da ocupação de pesquisadores de engenharia e tecnologia, que deve crescer 17,9% até 2023. Engenheiros de controle e automação, engenheiros mecatrônicos e profissões semelhantes deverão conhecer um aumento de 14,2%. Diretores de serviços de informática, 13,8%. Operadores de máquina de Comando Numérico Computadorizado (CNC), 13,6%.

Número baixo

O Mapa do Trabalho Industrial reconhece que o número absoluto de vagas criadas nessas novas áreas de alta tecnologia ainda é pequeno. Mas é inegável que o quadro demonstra o potencial de crescimento dessas áreas.
“O mundo vive a quarta revolução industrial”, observa o diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Raphel Lucchesi. É inevitável que o país também se insira nesse processo.
Atento a essa necessidade de aprimoramento profissional, o Senai lançou 11 cursos de aperfeiçoamento em tecnologias da indústria 4.0, como Ciber Segurança Internet das Coisas, Inteligência Artificial e Computação em Nuvem. Maiores informações sobre os cursos, estão no site mundosenai.com.br.

O Mapa mostra ainda que profissionais com maior qualificação técnica terão maiores oportunidades na área de logística e transporte.
Estima-se que até 2023 haja um aumento de 495.161 vagas nesse setor. Também em metalmecânica, a estimava é de novas 217.703 vagas.
“É importante que as pessoas conheçam as tendências para, se desejarem, adequar seus projetos de vida às necessidades do mundo do trabalho”, sugere Lucchesi.

As profissões transversais, que permitem ao profissional exercer funções em todas as áreas e setores econômicos, são as que mais demandarão necessidade de formação daqui até 2023.

No topo da lista, está o técnico de controle de produção, ocupação industrial que lida com o planejamento de processos produtivos.

Saiba Mais

Profissões com maior potencial de crescimento até 2023

  • Condutores de processos robotizados – Potencial de crescimento: 22,4%
  • Técnicos em mecânica veicular – Potencial de crescimento: 19,9%
  • Engenheiros ambientais e afins – Potencial de crescimento: 19.4%
  • Pesquisadores de engenharia e tecnologia – Potencial de crescimento: 17,9%
  • Profissionais de planejamento, programação e controles logísticos – Potencial de crescimento: 17,3%
  • Montadores de sistemas e estruturas de aeronaves – Potencial de crescimento: 15,5%
  • Engenheiros acrimensores e engenheiros cartógrafos – Potencial de crescimento: 15,2%
  • Gerentes de operação de serviços em empresas de transporte, de comunicação e de logística (armazenagem e distriuição) – Potencial de crescimento: 15,1%
  • Engenheiros de alimentos e afins – Potencial de crescimento: 15,1%
  • Instaladores e reparadores de linhas e cabos elétricos, telefônicos e de comunicação de dados – Potencial de crescimento: 15%

Você pode gostar
Publicidade