Siga o Jornal de Brasília

Entretenimento

Ivan Lins, Toquinho, João Bosco e Tiê celebram MPB neste sábado (8)



Beatriz Castilho
[email protected]

Contando com toda a diversidade que a música popular brasileira carrega, o Vozes da MPB – Encontro Histórico, mesmo que sem um gancho comemorativo (precisa?), soma artistas do gênero para construir espetáculos mais plurais – seja de timbre, público ou sonoridade.

Lançado e formatado por Toquinho, o projeto tem esta edição carimbada pela amizade, recebendo Ivan Lins, João Bosco e Tiê. Em quarteto, o grupo toma a capital amanhã, em apresentação no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

“Estamos apostando nesses encontros de artistas há mais ou menos quatro anos. Percebemos que poderíamos juntar todos no palco pela sincronia musical que nos caracteriza. Isso resultou num show cuja dinâmica melódica se completa pelo bom humor alicerçado na longa amizade que nos une”, diz Toquinho, em entrevista ao JBr.

Durante apresentação, os nomes se revezam em solos e duetos, preparando o ambiente para um final conjunto. Cada um com sua própria vastidão de opções leva o repertório da forma como quiser. Toquinho, por exemplo, aos 72 anos, carrega 50 de carreira. Com mais de 450 músicas, 80 discos e mais de 8 mil shows, tem sua lista baseada no que seu público pede.

“A quantidade de sucessos até facilita, pois sabemos que em tudo o que se cantar, teremos o público nos acompanhando e vibrando com canções que de alguma forma já tocaram seus corações”, reforça.

No repertório do quarteto, estão garantidas Tarde em Itapoã e Que Maravilha, de Toquinho; Madalena e Lembra de Mim, de Ivan Lins; e Corsário, O Bêbado e a Equilibrista e Papel Machê, de João Bosco.

Tiê, por sua vez, sucinta, responde às possibilidades da setlist com um simples “não sei”.

Representando a veia feminina da música popular, Tiê, mesmo já tendo dividido o palco com o veterano Tiquinho, reitera a felicidade de retomar a parceria. Mais jovem do grupo, a paulista de 38 anos foi descoberta pelo autor de Aquarela – iniciando carreira na banda do artista. “Ele é meu amigo e meu professor de vida. Me ensinou muitas das coisas. É ótimo para trabalhar e uma pessoa especial”, destaca.

Amizade

Estendendo a amizade para o restante do grupo, encontra-se uma ligação muito além do ritmo que o abraça. Ivan Lins e Toquinho, por exemplo, mantêm uma amizade de cinco décadas. Por fim, mas não menos importante, João Bosco carrega, entre os 44 anos de carreira, diversas parcerias com a dupla.

Em um intercâmbio de gerações, o Vozes da MPB traça um breve panorama da trajetória da música popular brasileira, mesmo que dando protagonismo à parcela veterana. “Hoje parece que tudo é efêmero. Há uma carência de poesia e a melodia se perdeu em meio à mesmice sem critérios. Cabe a nós conservar a beleza que criamos há décadas”, afirma Toquinho.

“Nós representamos a geração que ainda é capaz de permanecer atuando com dignidade para oferecer ao público o prazer de ouvir e cantar junto canções atemporais”, diz.

Dessa forma, evidenciando majoritariamente as canções do século 20, o quarteto se lança no cenário atual. “É um projeto que deve ser repetido com vários artistas que podem ainda mostrar parcerias harmoniosas e empolgantes”, conclui o músico.

Você pode gostar
Publicidade