Siga o Jornal de Brasília

Cinema

FICA 2018: Construindo Pontes, de Heloísa Passos, é o grande vencedor do festival

Leonardo Resende
Especial para o Jornal de Brasília

“Como diretora são 52 anos grávida de sonhos. Hoje, eu concluí um deles”, disse Silvana Beline em seu discurso emocionante ao receber o troféu João Bennio de melhor filme goiano. O filme Diriti de Bdé Buré retratou a história de uma indígena que trabalha com a feitura da boneca Karajá.

Esse foi um dos momentos mais emocionantes do encerramento da 20ª edição do Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental, momento histórico para diretoras participantes no evento.

Quem gerou mais comoção nos presentes na plateia foi a paranaense Heloísa Passos, realizadora do longa-metragem Construindo Pontes, que mostra a relação pessoal da cineasta com os acontecimentos da construção da Usina de Itaipu, maior hidrelétrica do mundo. Por ter sido realizada no auge do regime militar brasileiro, o documentário desperta recordações de um passado repleto de autoritarismo político e econômico. Paralelo a isso, há conflitos de opinião da diretora e do seu pai conservador, diante da conturbada situação política do Brasil de hoje.

Veja aqui o trailler de Construindo Pontes e dos outros filmes da mostra competitiva

O título levou o grande prêmio Cora Coralina, no valor de R$ 100 mil, e saiu como grande vencedor do FICA 2018.

Outro troféu que prestigiou o longa-metragem de Heloísa Passos foi do JúrI Jovem. A comissão determinou que a forma performática e metalinguística da obra resultou em imagens que extrapolam preocupações sociais, e que simultaneamente trouxe conflitos pessoais da diretora.

Esse é o primeiro longa-metragem de Heloísa, mas ela já assumiu a direção em sete curtas-metragens, além de atuar como diretora de fotografia em mais de 25 longas.

O FICA 2018 foi realizado entre 5 e 10 de junho na Cidade de Goiás e recebeu 40 mil pessoas nos seis dias de programação.

Confira a lista dos vencedores:

Eraldo Peres/Divulgação

GRANDE PRÊMIO CORA CORALINA
Construindo Pontes, de Heloísa Passos

TROFÉU CARMO BERNARDES – MELHOR LONGA-METRAGEM
Coros do Anoitecer, de Nika Saravanja e Alessandro d`Emilia

TROFÉU ACARI PASSOS – MELHOR CURTA OU MÉDIA METRAGEM
Plantae, de Guilherme Gehr

TROFÉU JOÃO BENNIO – MELHOR FILME GOIANO
Diriti de Bdé Buré, de Silvana Beline

TROFÉU – SEGUNDO MELHOR FILME GOIANO
A Viagem de Ícaro, de Kaco Olimpio e Larissa Fernandes

MENÇÃO HONROSA
Penúmbria, de Eduardo Brito

PRÊMIO DO JÚRI JOVEM
Construindo Pontes, de Heloísa Passos

TROFÉU JESCO VON PUTKAMMER – FILME ESCOLHIDO PELA IMPRENSA
Penúmbria, de Eduardo Britto

TROFÉU LUIZ GONZAGA SOARES – JÚRI POPULAR
Corp., de Pablo Polledri

 

O repórter viajou a convite da produção do evento

Você pode gostar
Publicidade