fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Entretenimento

Confira a agenda cultural do CCBB em março

Com a abertura, já no início de março da exposição Chiharu Shiota, o programa ganha uma matéria-prima e tanto para explorar durante a Semana do Educador

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Marcando o mês da mulher, o CCBB Educativo elaborou uma programação com especialistas explorando com profundidade temas diversos. Com a abertura, já no início de março da exposição Chiharu Shiota, o programa ganha uma matéria-prima e tanto para explorar durante a Semana do Educador.

A mostra também vai inspirar uma visita especial em Com a Palavra, mediada pela professora de design Celia Matsunaga, além das Visitas Educativas, Visitas Mediadas e Mediadas em Libras. Para celebrar o Dia das Mulheres, haverá uma Atividade Extra com prática de Mindfulness conduzida pela psicanalista e pedagoga Neiva Fernandes, abordando a importância da plenitude encontrada na vivência do aqui e agora, enquanto o curso Transversalidades, ministrado pela artista plástica Cecília Mori, analisará obras de arte contemporâneas produzidas por mulheres.

No Laboratório de Crítica, a proposta da artista visual e professora de artes visuais Karina Dias é exercitar uma aproximação entre a prática artística e a elaboração de uma escrita-nômade. Já o Múltiplo Ancestral, que terá bate-papo sobre composição musical, com direito a pocket show, será comandado pela cantora, compositora e instrumentista Letícia Fialho. Já a grade do Lugar de Criação contará com nove sessões, sempre aos finais de semana. O mês ainda reservará um cineminha na Sessão Miúda.

O programa é composto por inúmeras atividades e em março o público poderá participar do Lugar de Criação (voltado para crianças e famílias); Múltiplo Ancestral (ações que articulam a memória, saberes e práticas culturais para o público em geral); Com a Palavra… (visitas mediadas por convidado especial às exposições em cartaz oferecidas a público espontâneo); Transversalidades (curso para professores e educadores, que aborda temas transversais aos campos da educação e da arte, conectando as questões presentes nas exposições, às urgências e reflexões cotidianas) Atividades Extras (voltada a públicos diversos, a depender da temática da edição); Visitas Mediadas (público geral); Visitas Mediadas em Libras (acolhe pessoas com deficiência auditiva); Visitas Educativas (grupos escolares e demais grupos fechados por educadores e Sessão Miúda (cineclube para os pequenos com arte, histórias, fantasia e imaginação).

As atividades dialogam com os arredores do CCBB, com a exposição “Chiharu Shiota”, em cartaz no CCBB DF de 03 de março a 10 de maio e com o Museu do Banco do Brasil, realizando Visitas Educativas, Visitas Mediadas e Visitas Mediadas em Libras. Destina-se a todos os públicos com ações inclusivas e afirmativas para estreitar as relações com a comunidade escolar, educadores, pessoas com deficiência, famílias, organizações não-governamentais, artistas, movimentos sociais, profissionais dos campos da arte e da cultura e interessados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Todas as atividades são gratuitas, mas para participar de algumas delas é necessária uma pré-inscrição.

Lugar de criação

Das 10h às 12h e das 15h às 17h

01/03- Eu faço meu brinquedo: Sinfonia inflável

Brincadeira tem som? Nesta edição do Lugar de Criação serão resgatados os ensinamentos do brincante e residente das férias de julho de 2019 no CCBB, Léo Ladeira. A proposta é criar um instrumento de sopro que tem como ingredientes uma bexiga, um cilindro e bastante imaginação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

07 e 08/03 – Como nasce uma obra de arte? Barafundar

Inspirado no jogo coletivo surrealista cadavre- exquis, será criada uma trama a partir de recortes diversos, formando uma imagem coletiva. A ideia é a construção de um espaço onde todos possam intervir a partir da casualidade.

14 e 15/03 – Desde pequeno – Caminhando vou!

E se a nossa brincadeira nos mostrasse um caminho? As escolhas feitas em família dizem muito sobre cada um. Nessa brincadeira esses caminhos serão revelados em uma grande cama de gato.

21 e 22/03 – Trocação de histórias – Raiz da minha aorta

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A aorta é a maior e mais importante artéria do sistema circulatório do corpo humano. Ela se inicia na base do ventrículo esquerdo do coração e se ramifica pelo corpo, distribuindo o sangue oxigenado por todo o organismo. Pensando nisso e também nas poéticas trazidas pela artista japonesa Chiharu Shiota, esta edição convida o público a mapear as raízes familiares que pulsam nas veias de nossa existência, refletindo sobre os rastros que os antepassados de cada família traçou até chegarmos aqui.

28 e 29/03 – Eu faço meu brinquedo – Pega Pedra

Esse jogo consiste em jogar uma pedra para o alto, pegar outra pedra (ou mais) que estarão no chão e pegar a pedra que foi jogada para cima, tudo com a mesma mão. É um desafio divertido que, de acordo com as pesquisas do folclorista brasileiro Câmara Cascudo, tem mais de 20 séculos de idade e era jogado por gregos e romanos na Antiguidade. Nesse Lugar de Criação, serão customizados jogos de 5 pedras para se brincar em família e afiar a coordenação motora.

Semana do Educador – Exposição “Chiharu Shiota” – Dias 03, 04, 05 e 06/03

Processo de inscrição por formulário on-line: www.ccbbeducativo.com

03/03, às 18h30

04/03, às 14h

05/03, às 9h30

06/03 às 16h

Os professores sempre são os primeiros a visitar as exposições do CCBB! Por isso são oferecidas visitas exclusivas para eles, e também para coordenadores pedagógicos e demais integrantes da comunidade escolar, logo na primeira semana após a abertura de cada mostra.

*restrito a 30 pessoas por dia

Atividade Extra – Dia Internacional da Mulher: Mindfulness com Neiva Fernandes

08/03, às 17h

Sinopse: A meditação Mindfulness propõe que de foque no momento presente, sem julgamento, e acolhendo o que quer que esteja acontecendo, levando a atenção para a respiração e observando-a enquanto acontece livremente e naturalmente. Esta prática diária vai despertando cada vez mais a consciência e a clareza de que se vive apenas uma respiração de uma vez, possibilitando maior concentração e poder de observação. Esta consciência de quem realmente se é vai trazendo cada vez mais espaço para decisões mais ancoradas na realidade. O objetivo é parar tudo, respirar e viver intensamente o presente, pois o passado já foi e futuro ainda está por vir!

Sobre Neiva Fernandes: Neiva Fernandes é psicanalista, pedagoga, certificada como professora internacional de Mindfulness pelo MMTCP- Mindfulness Meditation Teacher Certification Program, e pelo Community Dharma Leaders Program. Formada em Psicanálise Clínica com especialização em Análise e Interpretação dos Sonhos e Medicina Psicossomática, participou por seis anos do Diamond Approach Program, voltado ao despertar e realização das muitas dimensões do potencial humano. Combinando compreensão psicológica moderna e Mindfulness, realiza um trabalho pioneiro na terapia de seus pacientes. Criadora e mentora do Projeto “Praticando nas qualidades do Coração: Bondade Amorosa, Compaixão, Alegria Apreciativa e Equanimidade”, compartilha todo seu conhecimento em palestras, treinamentos, cursos e retiros.

Com a Palavra… com Celia Matsunaga

14/02, às 17h às 18h

Sinopse: A visita buscará aproximar o visitante dos espaços da galeria criando uma relação de intimidade entre obra e o espectador. Propõe tecer um olhar sensível às obras monumentais da artista, contribuindo para outras possibilidades de percepção sobre seu trabalho. A experiência da exposição de Chiharu pretende instigar o visitante a refletir sobre as questões da existência tais como: vida e morte, relações humanas e memórias. Desta maneira, a visita buscará mergulhar nesses espaços abertos de sensações visuais, auditivas e poética, tornando familiar a qualquer visitante, os contextos da arte contemporânea propostos por essa artista.

Sobre a convidada: Professora na UnB (Universidade de Brasília) da Faculdade de Comunicação e do Programa de Pós-Graduação em Design. Pós-doutorado pela Royal College of Art, Doutora em Artes pelo Instituto de Artes/UnB, Visiting Researcher pelo Programa Ciência Sem Fronteiras/CNPq na Parsons The New School for Design e Mestre em Design Gráfico pelo Royal College of Art. Trabalha como designer gráfica e artista, apresentando trabalhos em diferentes localidades tais como Londres, Munique, Berlim, Alcobaça, Nova York (2013), além de Brasília. Ganhou vários prêmios como o RedDot Design Award, Red Dot Design Museum, Red Dot Presents Awarded Communication Design, Montreal Hall, Veredicto CLAP. Livro Arte apresentado no The New York Book Art Fair, SeeMe NYC, Mostra Cadernos Artivistas entre tantos outros.

Transversalidades, com Cecilia Mori (LIBRAS)

18/03, das 19h às 21h

Processo de inscrição por formulário on-line: www.ccbbeducativo.com

Sinopse: A ação pensada para o Transversalidades de março visa contribuir com o diálogo entre a rede de educadores das escolas do DF e a programação do mês da mulher do CCBB Brasília. Para tanto, será ministrada uma aula expositiva abordando as principais discussões da Arte Contemporânea, analisando obras de arte que marcam a História da Arte recente produzidas por mulheres nas diversas regiões do mundo desde os anos 1960.

Sobre Cecilia Mori: Artista plástica, pesquisadora doutora, com Prêmio UnB de Teses na área de Artes (2016) e professora adjunta I do Departamento de Artes Visuais da Universidade de Brasília. Realiza exposições individuais e coletivas desde 1999. Recebeu o Prêmio Artista Revelação do Salão de Artes Visuais do Distrito Federal, com obra adquirida para o acervo do Museu de Brasília, hoje integrante do Museu Nacional.

Laboratório de Crítica, com Karina Dias

27/03, das 16h às 20h

Processo de inscrição por formulário on-line: www.ccbbeducativo.com

Sinopse: Pensar o movimento das/nas imagens é lançar-se em um movimento do/no mundo: do vento à onda, da página à cidade, da montanha ao rio, do céu à terra. Nessa dinâmica, toda imagem fabrica distâncias, cria tempos distintos, é ponto de vista e ponto de contato, detalhe e panorama. Geografias emergem porque encontramos outro ritmo do/no mundo, uma cadência que nos embala em seu movimento, intensificando a nossa capacidade de acolher os espaços que nos circundam, de habitar as suas paisagens. O laboratório de crítica abordará a produção artística contemporânea em diálogo com os diversos períodos da história da arte com o objetivo de exercitar uma aproximação entre a prática artística e a elaboração de uma escrita-nômade, fruto de um pensamento-em-movimento.

Sobre Karina Dias: Artista visual e professora do Departamento de Artes Visuais da Universidade de Brasília (UnB), atuando na graduação e pós-graduação. Pós-doutora em Poéticas Contemporâneas (UnB), Doutora em Artes pela Sorbonne. Trabalha com vídeo e intervenção urbana, expondo no Brasil e no exterior. É autora do livro “Entre visão e invisão: paisagem (por uma experiência da paisagem no cotidiano)”. Coordena o grupo de pesquisa vaga-mundo: poéticas nômades (CNPq). Sua pesquisa está centrada nas poéticas da paisagem e da viagem, na geopoética, nos processos de produção artística, no lugar e seus modos de imaginação.

Sessão Miúda

21/03, às 14h

Sala de Cinema do CCBB

O Especial Andrés Lieban traz três curtas de desenho animado do premiado artista argentino multimídia Andrés Lieban. Aquarela (2003), A casa (2004) e Amigãozão (2006), partindo de um lugar de sensibilidade visual, traçam relações entre amizade, imaginação e criação. Bebês, mães lactantes e crianças com necessidades específicas são muito bem-vindas à sessão gratuita.

Múltiplo Ancestral, com Letícia Fialho

28/03, às 17h

Sinopse desta edição: Bate-papo sobre composição + pocket show: No bate-papo, mais do que uma exposição técnica e teórica sobre composição musical, o que se propõe neste encontro é a troca de experiência acerca do universo da composição musical a partir de provocações sobre o processo de criação de palavra e música, e da relação entre estes dois alicerces da canção. O que propulsiona o processo de criação de uma obra? O que vem antes da canção? Como se dá a escolha de palavras para uma letra de música e o que esta escolha comunica? Como se tece a relação entre música e palavra? São questões levantadas e exploradas nessa partilha. Em seguida, será apresentado um pocket show. No repertório, canções dos álbuns Maravilha Marginal e Purpurina Anzol. Duração: 1h.


Sobre Letícia Fialho: Compositora, cantora e instrumentista, Letícia é guiada pela ancestralidade e atravessada pela vivência quente dos subúrbios, pela magia boêmia das ruas e madrugadas, pelo gosto por soltar pipa e pela tendência a ralar joelhos. Ela tece suas canções unindo palavra e música pela linha fina da sensibilidade. Com três discos inteiramente autorais, é dona de uma trajetória consistente enquanto compositora, instrumentista e cantora, arranjando, concebendo e dirigindo cada trabalho seu. Além de seu projeto, Letícia Fialho e a Orquestra da Rua, é também integrante do premiado grupo Chinelo de Couro, do bloco de carnaval Essa Boquinha Eu Já Beijei e da banda Contém Dendê. Atua também na concepção e execução de trilhas sonoras de espetáculos de teatro.

Visitas educativas agendadas

Ter, Qua, Qui, Sex

Duração: 1h30

Ter a sex: 9h30, 10h30, 14h, 14h30 e 15h30

Qua e qui: 9h30, 10h30, 14h, 14h30, 15h30 e 19h

E-mail para agendamento: agendamentodf@ccbbeducativo.com

No momento do agendamento é possível escolher entre opções de visitas com atelier, visita à exposição ou visita patrimonial. Às quintas, às 14h30 há um horário disponível para a visita em Libras, exclusivo para grupos agendados.

Visitas mediadas

Ter, de 12h às 13h | 17h às 18h | 18h às 19h

Qua a sex, de 12h às 13h | 18h às 19h

Sáb, de 12h às 13h | 18h às 19h

Domingos e feriados, de 12h às 13h | 18h às 19h

Até 20 pessoas. Não necessita agendamento.

O grupo será formado 15 minutos antes do horário da visita.

Vista ao acervo do Museu do Banco do Brasil ou da exposição “Chiharu Shiota”, em cartaz no CCBB DF de 03 de março a 10 de maio

Visitas mediadas em libras

Sex às 19h e sáb às 17h

Até 20 pessoas. Não necessita agendamento.

O grupo será formado 15 minutos antes do horário da visita.

Visita realizada em Libras com tradução em português ao acervo do Museu do Banco do Brasil ou à exposição “Chiharu Shiota”, em cartaz no CCBB DF de 03 de março a 10 de maio. Acolhe pessoas surdas e/ou com deficiência auditiva e ouvintes, numa experiência compartilhada com os educadores das exposições.

SOBRE AS ATIVIDADES

LUGAR DE CRIAÇÃO

Todos os fins de semana, o educativo desenvolve programações especiais visando a ocupação, a convivência, a criação e o diálogo com a arte, para as crianças e suas famílias. O Lugar de Criação é um projeto dedicado ao público infantil, com interesse na experimentação da arte e das linguagens contemporâneas. Nele, os educadores e, por vezes, artistas convidados, realizam atividades e intervenções que estimulem a socialização, a curiosidade, a descoberta, a reflexão, o fazer coletivo e a cultura do brincar. O Lugar de Criação possui quatro segmentos:

Como nasce uma obra de arte? Dedicado para os intercâmbios entre crianças e artistas, com foco na experimentação das práticas e linguagens artísticas contemporâneas.

Desde pequeno – Dedicado à primeira infância, integração e socialização das crianças e os seus responsáveis, têm como foco os primeiros contatos com as exposições e seus conteúdos.

Trocação de histórias – Dedicado à leitura, música e a narrativa, com foco nas questões ligadas às exposições e ao patrimônio imaterial, imaginários sociais e culturais, a partir da experiência no centro cultural.

Eu faço meu brinquedo – Oficinas que exploram aspectos da cultura maker e da criação, para pensar o brincar e o brinquedo como prática coletiva, com temas como consumo, sustentabilidade e reuso.

MÚLTIPLO ANCESTRAL

Plataforma de trocas entre o público, as mestras e mestres ligados a diferentes saberes e práticas culturais, articulando a memória, o afeto e o patrimônio.

TRANSVERSALIDADES

Curso para professores e educadores, que aborda temas transversais aos campos da educação e da arte, conectando as questões presentes nas exposições, às urgências e reflexões cotidianas. Tem entre seus temas as práticas artísticas e sociais, a memória, a produção de subjetividades, de territórios e de patrimônios. É ministrado por profissionais convidados de áreas diversas.

PROCESSOS COMPARTILHADOS

Curso aborda aspectos da concepção, montagem, expografia e reflete sobre as especificidades de uma exposição. Voltado para formação de artistas, educadores, críticos, curadores e demais profissionais do campo da arte e da produção cultural. Utilizará as montagens das exposições como potente espaço de formação profissional nos quais serão evidenciadas questões como: iluminação, sinalização, peças gráficas, concepção e atividades educativas.

LABORATÓRIO DE CRÍTICA

Laboratório de crítica e reflexão sobre arte, incluindo a esfera do jornalismo cultural, memória e patrimônio a partir das exposições. Através desta plataforma, desejamos potencializar as exposições como espaços de formação e pesquisa para estudantes de arte, jornalismo, curadoria e história. É ministrado por profissionais convidados de áreas diversas.

SEMANA DO EDUCADOR

Com o objetivo de receber, logo no início da exposição, os professores, coordenadores pedagógicos e demais integrantes da comunidade escolar, o Programa Educativo realiza a Semana do Educador

COM A PALAVRA…

Visitas para o público espontâneo, realizadas por especialistas ou profissionais referências em temas diversos.

VISITAS EDUCATIVAS AGENDADAS

Os educadores realizam visitas agendadas, inclusivas, com grupos escolares e não escolares, visando criar um espaço de diálogos e trocas de experiências e saberes aliado às práticas artísticas, culturais e sociais, abordadas pelas exposições e demais programações do CCBB. As visitas são oferecidas nas manhãs, tardes e noites, para acolher os estudantes na sua diversidade de realidades e contextos educacionais.

No momento do agendamento é possível escolher entre opções de visitas com atelier, visita à exposição ou visita patrimonial. Às quintas, às 14h30 há um horário disponível para a visita em Libras, exclusivo para grupos agendados.

VISITAS MEDIADAS

Nesta visita os educadores se juntam ao público, para dialogar, compartilhar e trocar olhares, leituras e produções de significados em torno das produções, práticas, contextos e trajetórias dos artistas que participam do acervo do Museu do Banco do Brasil ou exposições em cartaz.

SESSÃO MIÚDA

A sessão miúda é uma proposta de cineclube para toda gente miúda que gosta de cinema, arte, histórias, fantasia e imaginação.

VISITAS MEDIADAS EM LIBRAS

Seguindo os mesmos princípios da visita mediada, a visita em Libras é realizada em Libras com tradução em português. Ela acolhe pessoas surdas e/ou com deficiência auditiva e ouvintes, numa experiência compartilhada com os educadores das exposições. São realizadas duas vezes por semana, com dias e horários pré-definidos por cada CCBB, sem necessidade de agendamento.

 


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade