Siga o Jornal de Brasília

Entretenimento

Coletivo negro de São Sebastião apresenta peça baseada em tradição africana

Publicado

em

Resgatar as raízes da cultura afro-brasileira. Esse é o objetivo do espetáculo Irandì – do Barro ao Ferro, do grupo de teatro negro Nós que Aqui Estamos, de São Sebastião. Na peça, que fica em cartaz nos dias 12,13, 19 e 20 de janeiro, contos de tradição africana ganham vida por meio da encenação moradores negros da cidade.

A entrada das apresentações é gratuita e todas contam com intérprete de libras para garantir acessibilidade e democratização cultural.

A trama acontece em três atos que, apesar de não estarem em uma trajetória linear, estão conectados. No primeiro momento, é encenado o conto “O Doutor cura quem tá para morrer”, de Mestre Didi – um dos grandes responsáveis por preservar a ancestralidade afro-brasileira com estudos e publicações sobre o tema. As cenas levam a reflexão sobre a relação vida e morte.

Outro ponto do espetáculo acontece em uma cozinha, onde se retrata a memória das pessoas negras que contribuíram para a libertação do povo preto nos sentidos mais amplos de existência. A força de Ogum está presente na peça através do ferro que recobra a ideia de que o povo preto é guerreiro, com sangue de reis e rainhas.

Ao colocar o negro como protagonista desta história, a peça busca também o diálogo sobre o combate ao racismo e o papel dos negros na sociedade. O espetáculo será encenado nos dias 12 e 13 na Casa de Paulo Freire e nos dias 19 e 20 de janeiro no CED São Francisco, ambos em São Sebastião e sempre às 20h.

Este projeto é realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal.

https://youtu.be/G6ru7Ys1GR4

Nós que Aqui Estamos

O coletivo negro Nós que Aqui Estamos surgiu do desejo em comum de fazer alguma coisa que materializasse a pretitude e urgências criativas. Os encontros aconteceram nesses fluxos de estar na cidade de origem dos artistas, São Sebastião, onde os diálogos foram resultado dessas urgências. Questionados sobre o que fazer pela cidade, pela juventude negra e para expressar a arte, os artistas decidiram se mobilizar.

“Acreditamos que amor é construção. Estar entre pessoas pretas e em lugares que amamos, desperta a necessidade de construir para fortalecer e permanecer. É preciso lembrar que temos obrigações com nossos ancestrais. Preservar sua memória, para que também sejamos cuidados. É preciso estar atento a nossa família, amigos e amores, para nos re-conhecermos e nos re-conectarmos”.

Serviço

Irandí – do Barro ao Ferro

Quando: 12 e 13 de janeiro, às 20h, na Casa de Paulo Freire

Onde: Casa 07 Quadra 201, Bairro Residencial Oeste – São Sebastião

Quando: 19 e 20 de janeiro, às 20h, CED São Francisco

Onde: Quadra 17 Lote 100, Bairro São Francisco – São Sebastião


Você pode gostar
Publicidade
Publicidade 
Publicidade
  • CHARGE DO DIA

Publicidade