fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cinema

Dois curtas representam Brasília na Mostra do Filme Livre

O intuito da MFL é valorizar filmes feitos sem grandes patrocínios,  feitos em casa ou por pequenas empresas, entre amigos ou sozinhos

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

“Fico muito feliz de estar na Mostra do Filme Livre por ser um tipo de festival que me sinto totalmente em casa”. A frase é de Mauricio Chades, um dos diretores que irão representar Brasília na Mostra do Filme Livre, que vai até 20 de setembro, no formato on-line. 

A 19ª edição do projeto conta com 910 inscritos de várias partes do Brasil e vai exibir 53 curtas, médias e longas de todos os gêneros. A mostra, que é a a maior do Brasil, se tratando de filmes independentes,  vai acontecer pela primeira vez no formato on line, devido à pandemia, de 12 a 20 de setembro através de parceria com o site www.poloaudiovisual.tv

Ana Luiza Meneses e Maurício Chades são os diretores que irão representar Brasília nesta edição com dois curtas-metregens: Juca (28’/ 2019), pela mostra “Panoramas Livres”, e Espuma dos dias (3’, 2020), que concorre na mostra “Pílulas”.

Para Maurício, participar da mostra é também um ato político. “O festival aponta para a ideia de acessibilidade tanto enquanto realização, ao dar espaço para realizadores e realizadoras que fazem seus filmes acontecerem com poucos recursos financeiros e bastante criatividade, e também enquanto exibição, ao se conectarem a vários cineclubes pelo território brasileiro, aumentando o alcance desse tipo de cinema”, conta o diretor de “Juca”.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Espuma dos Dias” \ Foto: Divulgação

A Mostra de Filme Livre 2020 (MFL) é dedicada à memória do artista multimídia Sérgio Ricardo, que foi homenageado na edição de 2009 e que faleceu em julho deste ano, aos 88 anos. Os filmes serão exibidos dentro de 4 recortes: Panoramas Livres (curtas, médias e longas), Mundo Livre (filmes feitos por brasileiros no exterior), Biografemas (filmes sobre outros artistas) e Pílulas (filmes de até 5min.), todas sessões já tradicionais da MFL.  O júri irá decidir os 3 filmes mais instigantes, e estes ganharão o troféu “Filme Livre!”. 

O intuito da MFL é valorizar filmes feitos sem grandes patrocínios,  feitos em casa ou por pequenas empresas, entre amigos ou sozinhos.

“É um festival que valoriza e estimula a livre criação, experimentação e realização apaixonada de cinema em detrimento da necessidade de grandes aportes orçamentários que, muitas vezes, torna-se o fator determinante para a realização de vários projetos que se vêem ruminando por anos (ou décadas) até tornarem-se filmes possíveis”, explica Maurício Chades.

Para o diretor, a mostra também serviria como inspiração e incentivo para quem tem vontade de produzir seu próprio filme. “Se esses filmes são vistos, muitos dos espectadores podem pensar ‘eu também vou fazer um filme’, e isso é ótimo”, finaliza. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para a produção do evento, Guilherme Whitaker, criador da MFL em 2002 no Rio de Janeiro, contou que este ano, o projeto será um divisor de águas. “Muitos eventos, como a MFL, que só aconteciam em salas de cinema e usavam a internet basicamente para divulgação, e agora, obrigados a usar a web para acontecer, vão se ampliar e dificilmente deixarão de fazer sessões online nas próximas edições”, afirmou o idealizador da mostra.

Para ele, isso resultaria também na ampliação do  público, que não se limitaria apenas àqueles que podem ir à sessões físicas. “Pessoas fora do eixo RJ/SP/DF, onde a MFL costumava acontecer, e que sempre quiseram participar e ver nossos filmes, este ano poderão assistir, de qualquer lugar e a qualquer hora”, enfatiza Guilherme.

O curta “Juca”, foi uma forma de Maurício fabular sobre sua própria experiência. “Quando conheci Juca, me encantei por poder compartilhar com alguém o mesmo objetivo de pedalar e fotografar à noite, o que nos motivou a fundar o Pedal da Lua Cheia, em que nos juntamos a cada mês para passeios pela região, em meio à vegetação do cerrado, guiados pela luz da lua e sem o auxílio de iluminação artificial. Nossas pupilas dilatam e conseguimos ver. O pedal e Juca me proporcionaram percorrer mais e mais a superfície da região, não só do Córrego do Urubu, mas por trilhas no Taquari, Jerivá, Palha e outros núcleos rurais da Serrinha do Paranoá”, conta o diretor do filme. 

“Juca” / Foto: Divulgação

Para Maurício, quanto mais produções que retratam experiências pessoais surgirem, e quanto mais forem vistos, mais ativo se torna o papel do cinema na sociedade, além do entretenimento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O papel da arte em si é poder nos causar a mudança de perspectiva e paradigma. Quando a gente não consegue imaginar saídas, às vezes um trabalho de arte tem essa claridade de nos apontar novos caminhos. Então pra mim o cinema tem essa importância, é mais do que uma experiência que te envolve esteticamente, é um trabalho com capacidade de transformação social”, esclarece.

LIVES:

dia 19-09, às 19h – Debate com os curadores Gabriel Sanna e Scheilla Franca e os cineastas “Até o fim”, Ary Rosa e Glenda Nicácio.

dia 20-09, às 19h – Encerramento: Debate com GuiWhi e a direção dos 3 filmes premiados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assista aos trailers das produções brasilienses:

ESPUMA DOS DIAS

JUCA

SERVIÇO  

MFL2020 // 19ª. Mostra do Filme Livre

Programação completa: www.mostralivre.com

Site das exibições: www.poloaudiovisual.tv

Datas:  até 20 de setembro de 2020

Classificação: consultar programação em www.mostralivre.com

Realização: WSET Multimídia

Apoio: Polo Audiovisual, Fábrica do Futuro e Gov. Estado Rio de Janeiro.

Mais informações: 22 997773200 – [email protected]

Imprensa: Alexandre Aquino > 21 | 98842 3199 // [email protected]

Por Mayra Christie




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade