Siga o Jornal de Brasília

Cinema

Brasília recebe atores de “Carcereiros”

Inspirado no livro de mesmo título, escrito por Drauzio Varella, o filme é uma adaptação que segue o sucesso da série Carcereiros’ produzida pela Globo, em 2016, e dirigida por José Eduardo Belmonte

Publicado

em

PUBLICIDADE

Pedro Marra
redacao@grupojbr.com

O longa metragem Carcereiros – O Filme tem estreia nos cinemas nacionais marcada para o próximo dia 28 de novembro — mas a obra foi divulgada ontem à noite na capital federal com presença do elenco numa sessão de cinema do shopping Iguatemi Brasília, no Lago Norte.

Inspirado no livro de mesmo título, escrito por Drauzio Varella, o filme é uma adaptação que segue o sucesso da série Carcereiros’ produzida pela Globo, em 2016, e dirigida por José Eduardo Belmonte. O diretor segue no comando da obra cinematográfica, estrelada pelo ator Rodrigo Lombardi, que volta ao papel do agente penitenciário Adriano, que tenta garantir a tranquilidade no presídio em meio a dilemas familiares.

A obra conta a chegada de Abdel, personagem de Kaysar Dadour, um perigoso terrorista internacional. Ele aumenta ainda mais a tensão no presídio, que já vive dias de terror por conta da luta entre duas facções criminosas. Com isso, Adriano enfrenta uma rebelião além de controlar os passos de Abdel. O longa traz a realidade dos homens que mesmo sem estarem presos, passam os dias atrás das grades.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Confira a entrevista com o elenco do filme

Prata da casa

O ator brasiliense Rainer Cadete participa do longa como o “Príncipe”. Para ele, a temática de tensão do filme não foi um desafio para personificar o personagem.

“Acredito que está tudo dentro da gente de uma certa maneira. Como artista, a gente tem muita coisa dentro da gente. Minha preparação para esse personagem foi numa mesa de leitura, onde nos encontrávamos por duas semanas e meia. Depois, tive quatro horas de vivência com o núcleo da facção criminosa. A gente ficou ‘voando’ no universo de hierarquia na prisão, perigo de vida, de estar com os nervos à flor da pele. A gente não precisa se emocionar para emocionar o outro”, analisa.

Um dos roteiristas do filme é Fernando Bonassi. Ele esclarece como foi o processo de extrair o conteúdo do livro para produzir o filme.

“A literatura do Drauzio Varella é como se fosse um mosaico dividido em pedacinhos. Se você ler o livro Carcereiros, você não vai encontrar o personagem do Adriano lá, mas você vai encontrar vários pedaços dele. A gente quis fazer um filme de ação, colocando terrorismo, delação premiada, corrupção, temas da criminalidade contemporânea. Seria desonesto fazer um filme policial brasileiro que não fosse uma questão social. A gente quer propiciar às pessoas duas horas de entretenimento inteligente sobre a realidade brasileira. O assunto do filme é poderoso por excelência por tratar de vida e morte”, diz.

O elenco conta ainda com Dan Stulbach, Tony Tornado, Milton Gonçalves, Rafael Portugal, e Ivan de Almeida.

A trama mostra como é a rotina dos agentes penitenciários brasileiros que precisam conviver com o dia a dia atrás das grades. Com esse cenário, o ator Jackson Antunes, que interpreta o personagem “Comandante”, crê que os atores precisam estar focados para cumprirem o papel que for.


Você pode gostar
Publicidade
Publicidade
Publicidade