fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Vídeo: suspeitos de matar padre Casemiro são vistos em câmera; dois foram presos

Terceiro membro do grupo já foi identificado. Ele seria o “cabeça” da organização acusada de latrocínio contra o sacerdote

Willian Matos

Publicado

em

Foto: Divulgação/PCDF
PUBLICIDADE

Willian Matos
[email protected]

Quatro suspeitos de terem matado o padre Kazimerz Wojno (Casemiro), de 71 anos, foram flagrados por câmeras de seguranças dos arredores da paróquia Nossa Senhora da Saúde. Um deles aparece segurando um notebook em uma das mãos, além de fugirem utilizando mochilas.

Nas imagens, os quatro aparecem pulando o muro da paróquia Nossa Senhora da Saúde, por volta de 21h40. Um deles é visto caminhando com certa tranquilidade nos arredores da cena do crime. Veja:

Segundo investigações, o grupo provavelmente fugiu de ônibus do local.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Prisão

Na tarde de terça-feira (24), dois dos suspeitos foram presos. Antonio Willian Almeida Santos, de 32 anos, e Alessandro de Anchieta Silva, 19, foram encontrados em Valparaíso de Goiás-GO. Com eles, os agentes da 2ª Delegacia de Polícia (Asa Norte) encontraram dois notebooks, três garrafas de uísque, chaves de carros, uma corrente de ouro, um relógio, um celular e um moletom. Parte dos itens estava na paróquia.

Alessandro, inclusive, confessou ter participado do crime, mas afirmou que não tinha a intenção de matar o padre. No entanto, segundo o delegado Laércio Rosseto, da 2ª DP, ele estava em posse de arma de fogo.

Um terceiro membro já foi identificado. Daniel Souza da Cruz, 29 anos, seria o líder do grupo. Alessandro afirmou que foi ele quem o convidou para participar do crime. Daniel está foragido, uma vez que já existe um mandado de prisão contra ele.

O delegado acredita que o crime tenha sido premeditado, e que o grupo visava os cofres que ficam na paróquia. “Eles usaram equipamentos que existem na própria residência, de maneira que não precisaram levar nada”, disse Rosseto. “Eles sabiam o que iriam encontrar lá”, concluiu.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade