fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Vendas on-line devem superar presenciais na Black Friday

Índice esperado pelo Sindivarejista é o maior já registrado. Natal é incentivo para ir às compras

Vítor Mendonça

Publicado

em

PUBLICIDADE

As vendas on-line prometem ser maiores que as presenciais nesta Black Friday no Distrito Federal. Enquanto no ano passado o comércio virtual cobriu cerca de 41% do total de compras feitas pelos consumidores, neste ano, segundo o presidente do Sindicato do Comércio Varejista do DF (Sindivarejista-DF), Edson de Castro, a previsão é de 57%, devido à pandemia do novo coronavírus. “Essa é o maior índice já registrado. Muitas pessoas não estão saindo de casa, mas estão presenteado – e as lojas estão vendendo da mesma forma”, relatou.

A expectativa é que os produtos mais procurados pelos brasilienses sejam de eletrodomésticos e eletrônicos. De acordo com Edson, a razão para a busca destes produtos é a alta rotatividade de novidades e variedades de marcas. “Modelos de televisores, por exemplo, mudam bastante e há muitos novos agora. E os modelos anteriores são vendidos com um preço menor, em liquidação; então muita gente os compra tanto pela modernidade quanto pelo bom preço”, explicou. Dos eletrônicos, os celulares serão os mais procurados, segundo o presidente do Sindivarejista. “É a mesma situação.”

Apesar da expectativa de vendas menores neste ano, com crescimento em torno de 3% a 4% no período, o preço médio de gasto por pessoa está estimado em R$ 280, contra R$ 240 do ano passado. “Brasília tem a maior renda per capita do país […] e muitos estão comprando para adiantar os presentes de Natal”, afirmou Edson. Para ele, as pessoas que estão de olho nas promoções vão aproveitar o 13º para as compras, sendo esta uma “questão de ocasião”. Com os presentes de fim de ano, aproveitam também as entregas e fretes únicos.

“Algumas pesquisas indicam que o investimento feito em publicidade nesse ano [para as vendas on-line] gira em torno de R$ 150 milhões nesse período da Black Friday. E agora as lojas sabem que está mais difícil enganar o consumidor, porque hoje ele faz sua pesquisa. As pessoas acima de 60 anos aprenderam a mexer na internet e estão movimentando muito o crescimento das vendas virtuais. Ano passado houve um grande crescimento, mas esse ano é bem superior”, informou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Aumento de reclamações

Apesar dos avanços quanto ao uso da internet, proporcionados pela pandemia da covid-19, ainda é possível, a todos os que compram on-line, ser vítima de golpes ou enganações por preços aparentemente baixos. De acordo com o Programa de Proteção e Defesa do Consumidor do DF (Procon-DF), o número de reclamações por produtos comprados na web mais que dobrou entre 2019 e 2020.

Enquanto até 10 de novembro do ano passado, foram 3.360 atendimentos do órgão, no mesmo período de 2020 foram 7.545 – número cerca de 126% maior que os registros de 2019. As quantidades mais expressivas e díspares são dos meses de Julho e Junho, com 1.032 e 1.024 reclamações, respectivamente, contra 284 e 270 atendimentos do ano passado nos mesmos meses. Neste novembro, nos primeiros 10 dias, 170 haviam sido feitos

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com Rafael Klier, especialista em Direito do Consumidor, este é o período em que as demandas no escritório aumentam. A quantidade de dúvidas e processos gerados em novembro se equiparam às reclamações do Natal – cerca de 30% a 40% de acréscimo da demanda do escritório de advocacia Beckt Advogados Associados.

Para evitar enganações, o melhor seria que os consumidores procurassem os produtos dos quais estão interessados pelo menos três meses antes de novembro, quando as promoções “Black” começam a aparecer. “Essa é uma porta de oportunidade para que o vendedor ofereça a metade do dobro, ou seja, o fornecedor aumenta o preço para fingir que vai dar o desconto”, disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Caso o acompanhamento não tenha sido feito, há a possibilidade de acompanhamento retroativo por dois sites, segundo o advogado.

Promoção será estendida

Para vendas presenciais, a fim de evitar aglomerações, alguns shoppings preferiram ampliar o período da Black Friday no DF. É o caso do DF Plaza, em Águas Claras, e do Conjunto Nacional, no centro de Brasília. Os dois estabelecimentos comerciais definiram pelo menos três dias de promoções, sendo o primeiro com quatro dias – de ontem até domingo (30) -, e o segundo entre hoje e domingo também.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
>

“Pensamos em diluir o público, mas ao longo de todo o mês, muitas marcas já fizeram suas promoções, justamente para evitar a aglomeração de pessoas. No nosso caso, quem comprar na Black Friday agora, também já vai poder participar do sorteio que vamos fazer para o Natal [um SUV Hyunday Creta Atittude]”, explicou Diogo Pipas gerente de marketing do DF Plaza. A cada R$ 300 em compras, os clientes recebem um cupom para concorrer ao carro zero quilômetro.

No shopping, também será disponibilizada a retirada dos produtos por meio do sistema drive-thru. “Nossa prioridade é atender às demandas dos clientes, dando a eles alternativas para que possam fazer suas compras com segurança e conforto”, explicou ainda o gerente de marketing do centro de compras.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Horários alterados

No Conjunto Nacional, além datas com promoções do período, os horários de atendimento também foram ampliados. Na sexta-feira e no sábado, o centro comercial funcionará entre 9h e 23h, e das 14h às 20h no domingo. De acordo com Diego Marcondes, chefe de Marketing da Ancar Ivanhoe, que gerencia o shopping, a venda on-line foi o diferencial do ano, que se reflete também nesta Black Friday.

“Esse ano, os consumidores tiveram ainda mais contato com a venda online e isso mudou a realidade do consumo no país. Nesta Black Friday, vamos utilizar o aplicativo, um dos principais canais do shopping, para tornar a experiência do consumidor ainda mais atrativa, cômoda e segura”, explicou. A critério do cliente está também a forma que irá receber o produto, podendo escolher entre drive-thru, pontos de coleta, delivery ou retirada na loja física.

Dentro do shopping, a orientação a ser adotada pelas lojas será de reforçar as equipes de cada estabelecimento, a fim de orientar clientes e monitorar o fluxo dentro dos empreendimentos, a fim de garantir que os protocolos de segurança de distanciamento e uso de máscaras seja cumprido.

Saiba Mais

Verifique a procedência do site e o CNPJ da empresa onde se compra, evitando também acessar sites de links recebidos por SMS, whatsapp ou email. Acesse o site diretamente para não correr o risco de ser direcionado para uma página falsa;

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Verifique se o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) da empresa está funcionando

Confira se há reclamações contra a empresa na internet em portais como o Reclame Aqui e nos órgãos de defesa do consumidor;

Observe se a oferta realizada não tem um preço muito abaixo do preço de mercado;

Guarde prints da compra e outras informações da operação no processo de encomenda do produto para serem usados como prova caso tenha problemas com a compra;

Não deixe a senha nem os dados do cartão gravados no site para compra posterior. Isso facilita a ação de criminosos.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade