fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Um ano da morte da inocência

O bárbaro assassinato do menino Rhuan, que chocou o país, ainda não tem data para o julgamento

Olavo David Neto

Publicado

em

PUBLICIDADE

À espera de um julgamento

Pandemia do novo coronavírus adiou audiência das assassinas do crime que chocou o país

“É do meu filho. Eu o matei”, disse Rosana Auri da Silva Candido quando questionada pelos agentes da 26ª Delegacia de Polícia (DP), em Samambaia. Há um ano, a acreana e sua companheira, Kacyla Priscyla Damasceno Santiago, chocaram o país inteiro depois que degolaram e mutilaram o corpo de Rhuan Maycon da Silva Candido, de apenas 8 anos. Desmembrado, o corpo do menino foi colocado em duas mochilas escolares e uma mala de viagens — depois de ter membros postos na churrasqueira “para amolecer a carne”, como contaram as autoras.

O episódio marcava o fim de uma saga que beirava os cinco anos, desde que Rosana buscou o filho na casa dos avós paternos em dezembro de 2014. Desde então, às margens da lei, ela, Rhuan, Kacyla e G. passaram por ao menos sete estados. No Distrito Federal, após um breve período em Ceilândia, alugaram a residência final da fuga cinematográfica. Detidas, as duas confessaram uma série de crimes cometidos ao longo de quase meia década, inclusive pequenos furtos, falsidade ideológica e abandono intelectual, já que as crianças não frequentaram a escola durante o período clandestino.

Dor e mutilação

A declaração que mais chocou os agentes foi o relato de mutilação cometido por Kacyla e Rosana. Um ano antes da morte, Rhuan tivera o pênis decepado de forma rudimentar, dopado com comprimidos de Dipirona e rasgado por uma lâmina de cozinha.

Quando deixou o Acre, o casal sumiu do mapa familiar. Com mudanças frequentes de moradia e nomes — Kacyla utilizava o segundo nome, enquanto a companheira se apresentava apenas como Ana —, foi difícil para Rodrigo Oliveira, pai de G., e Chaguinha encontrarem qualquer pista do paradeiro das duas. Com informantes clandestinos dentro da Caixa Econômica Federal, pai e avô das crianças sequestradas identificaram saques da pensão que Rodrigo depositava para a filha. Um extrato indicou Maceió, Alagoas, logo depois da saída de Rio Branco; outros as localizaram em Trindade e Anápolis, ambas em Goiás. Sempre que havia uma pista, os detetives improvisados saíam à caça.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assim, Chaguinha torrou todas as economias em viagens e na busca por informações — e ainda paga os empréstimos obtidos na busca por Rhuan . Apesar do acesso ao sistema bancário, a certeza de que a ex-nora estava no Distrito Federal veio pelo sistema de Saúde. Quando uma das duas (presume-se, sem certeza, ser Kacyla) passou mal, dirigiu-se à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Samambaia Norte. O registro obrigatório na instituição médica bateu de frente com um chamado posto por Octávia Nogueira, advogada de Chaguinha.

Assassinas aguardam na Colmeia

Desde junho do ano passado, Kacyla e Rosana estão detidas no Presídio Feminino do Distrito Federal, o Colmeia, no Gama. Devido à repercussão do crime – utilizado como plataforma política tanto para conservadores, pela orientação sexual das autoras, quanto pelos setores progressistas, pela intolerância de cunho religioso a que foram expostas e à qual expuseram as crianças -, as duas foram isoladas para evitar justiçamentos.

O processo está parado desde o final do ano passado. As duas irão a Júri Popular no fórum de Samambaia do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT). Previsto para março, o julgamento foi adiado por causa do novo coronavírus. Segundo Renato Barcat, advogado da dupla, “provavelmente apenas no ano que vem” as mulheres terão de comparecer ao tribunal.

A pandemia do novo coronavírus chegou ao Acre em 17 de março. Desde então, contaminou 2.095 pessoas, matando 49 delas até o fechamento desta reportagem. Rodrigo Oliveira, a esposa e G. estão entre os contagiados pela doença. Ainda debilitado, Rodrigo relatou via mensagem que, afora a infecção da covid-19, da qual os três se recuperam sem maiores preocupações, tudo corre tranquilamente na residência da nova família da garota.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Aos poucos, as coisas foram tomando jeito. Ela está bem, graças a Deus. Foi conquistada uma confiança e restabelecido o elo quebrado anteriormente”, disse o servidor público.
Nos primeiros encontros, G.sequer dirigi a palavra ao pai.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade