Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Tecnologia criada por brasiliense ajuda dependentes químicos na reabilitação

Publicado

em

Publicidade

Ana Karolline Rodrigues
redacao@grupojbr.com

“Fiquei mais de dez anos viciado em cocaína. Trabalhava, estudava normalmente, mas só eu e Deus sabíamos a prisão em que eu estava”. Este é o desabafo do brasiliense Daniel dos Santos Cardoso, 39 anos, que, após se recuperar do vício em drogas, criou um aplicativo para auxiliar dependentes químicos na reabilitação.

O “Socorre.me”, criado em 2013, apresenta diversos  recursos, como indicar locais que representam um risco de recaída para o paciente e mostrar a quantidade de dias que o usuário está “limpo”. A ferramenta ainda possui um localizador, que pode ser usado para caso a pessoa tenha uma recaída, overdose ou crise de abstinência.

Segundo o analista de sistemas que atualmente vive em São Paulo, a ideia de criar o negócio surgiu após um sonho que teve, quando já estava em recuperação do vício. “Eu venho de uma família evangélica, mas aos 12 anos eu saí da igreja e conheci as drogas: cigarro, cerveja, álcool, maconha e cocaína. Tinha uma vida normal, até que tive a primeira overdose. Continuei e depois tive a segunda e a terceira. Isso foi entre 2005 e 2010. Mas na terceira aconteceu algo sobrenatural, atípico mesmo”, narra Daniel.

“Eu falava para a mãe da minha filha: ‘Dessa vez não vou aguentar, eu vou morrer. Chegando lá, uma enfermeira olhou para ela e perguntou se ela acreditava que eu nunca mais iria usar isso, e ela falou que sim. Agora  faz sete anos que nunca mais usei nenhuma droga, pela graça de Deus”, continua. “Foi quando eu tive um sonho em que desenvolvi um sistema para ajudar as pessoas. Quando acordei, eu procurei no Google e não achei nada parecido. Então resolvi ir atrás”, contou.

Recursos

Como uma forma de ajudar dependentes químicos a abandonar o vício, o aplicativo “Socorre.me” oferece vários recursos ao usuário da ferramenta. No app, é possível cadastrar o tempo  e o valor diário pelo consumo, foto da pessoa antes e depois da droga e imagens da família, de forma a fazer o dependente refletir antes de usar novamente algum entorpecente.

Segundo o desenvolvedor da plataforma, após o usuário disponibilizar alguns dados, como uma quantidade média de drogas utilizadas por dia, o app entrega uma estatística de como este dinheiro e tempo gastos poderiam ser usados em outras situações. “Se eu gasto R$ 20 por dia durante 20 anos, o aplicativo mostra o que dava para comprar com isso: comprar um apartamento, ou fazer uma faculdade neste tempo”, exemplifica.

Ferramenta está em expansão

O aplicativo não retém nenhum dado pessoal do usuário. “Não ficamos com nenhum dado dele. Ele coloca um apelido e pode colocar fotos de antes e depois, por exemplo. O app é para ser uma conscientização para o dependente”, diz Daniel dos Santos. Uma vez que a ferramenta é gratuita, ele explica que a empresa ganha com outros pontos.

“Nós conhecemos a Sociedade Bíblica do Brasil e fizemos uma parceria há um tempo com o aplicativo You Version, oficializada em setembro de 2018. Eles ofereceram para a gente planos devocionais [no aplicativo bíblico] para ir contra o vício e deixamos um canal lá: ‘Se você quiser ajuda, veja o Socorre.me'”, relata. Além da parceria com a Sociedade, e também com o Sebrae, a empresa criada por Daniel também obtém receita por meio de anúncios no app.

Para desenvolver a ferramenta, o analista de sistemas precisou bancar todo o processo de criação. “Saiu tudo do meu bolso. Desenvolvimento, reuniões, eventos”, conta. Atualmente, a empresa, que já conta com um sócio, um design e programadores, busca se expandir ainda mais. Além de trabalhar exclusivamente com drogas, agora o “Socorre.me” aborda outros vícios.

O próximo passo agora, será lançar um e-book com o mesmo tema e contra a pornografia infantil. “Nós abrimos o leque, agora trabalhamos com compulsões. Estamos fazendo seminários tratando a temática, dando palestras. Nossa agenda está só aumentando”, diz.

Para fazer a diferença em outras vidas, como viu acontecer como ele mesmo, Daniel afirma que pretende atualizar o aplicativo para uma nova versão e incluir ainda mais recursos. “Agora, o que eu pretendo é chegar em um momento em que meu trabalho seja apenas o Socorre.me”, deseja.

Saiba Mais

O “Socorre.me” pode ser baixado em celulares IOS ou Android, estando disponível em lojas da app Store e Play Store.

Com versões em oito idiomas, o app atualmente está disponível em mais de 30 países gratuitamente. Em 2015, ele foi apontado pelo Sebrae como uma das 25 melhores ideias do Brasil.

Criador do app, Daniel Cardoso é graduado em análise e Desenvolvimento de Sistemas, com pós-graduação em Análise e Projeto de Sistemas e trabalha, desde 1998, na área de Tecnologia da Informação.


Você pode gostar
Publicidade