fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Tatuador tinha planos de matar

Ex-namorada que denunciou José Messias revela que, por medo da polícia, homem iria assassinar sua atual companheira. Tortura durou 18 dias em Ceilândia

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

“Estou com essa demônia aqui”

Ex-namorada revela que José Messias ia matar a vítima na última sexta-feira, dia em que foi preso

Pedro Marra e  Willian Matos
redacao@grupojbr.com

Dois vídeos disponibilizados à 15ª Delegacia de Polícia (DP), de Ceilândia Centro, revelam detalhes assustadores do tatuador José Messias Alves, 37 anos, que torturou a namorada durante 18 dias, em Ceilândia, desde o dia 24 de dezembro até a última sexta-feira. Em coletiva de imprensa, o delegado da unidade, Gutemberg Santos Morais, relata que nas gravações, ele bate nela com uma faca, e diz “olha o que eu faço com ela” e “feliz Ano Novo”. “Ele ainda mostrou o sangue no chão e disse ‘estou com essa demônia aqui’”, detalha.

Segundo o delegado, a ex-namorada do agressor fez a denúncia contra ele em Cidade Ocidental (GO), onde mora. “Ela recebeu alguns vídeos por parte do agressor, e se compadeceu com a situação da vítima. Nas mensagens em que ela nos apresentou, mostra ela falando ‘não se faz isso com a mulher, você está sendo covarde’. O agressor solicitou a ajuda da ex-namorada, a quem ele considerava amiga. José mandou mensagem para ela dizendo ‘se puder me ajudar, vem para Brasília’. Ela viu como uma oportunidade de vir para denunciá-lo e apresentar a situação para a polícia”, conta Gutemberg.

O tatuador teve a prisão convertida de temporária para preventiva na manhã de ontem, durante audiência de custódia no Tribunal de Justiça do DF (TJDFT). O juiz substituto do Núcleo de Custódia, Felipe Figueiredo de Carvalho, considerou o histórico criminal do réu para sentenciar o crime. O homem está preso e deve ser indiciado pelos crimes de tortura, ameaça e cárcere privado, cuja pena pode chegar a 16 anos de prisão.

Em depoimento, José Messias disse à polícia que as lesões da vítima seriam decorrente de uma briga entre a ex e a atual companheira. “Ele entrou na delegacia gritando e dizendo que não teria feito nada com ela. Foram mais de duas horas de oitiva policial com os envolvidos no caso”, diz Gutemberg.

Espanto

Em entrevista ao Jornal de Brasília, a ex-namorada do tatuador contou que a intenção dele era matar a vítima na sexta-feira, mesmo dia em que acabou preso. “Ele falava nos áudios que me enviava que ia matar ela porque a polícia estava atrás dele”, revelou a jovem. “Ele postava no status do whatsapp dele chamando ela de vadia.”
A ex-namorada revelou que reagiu com espanto aos vídeos enviados a ela por José Messias. “A gente não pode aceitar uma covardia dessa. Eu sabia que não ia acabar bem. Eu não ia ver acontecer um fato desse e acobertar”, contou ela que foi a responsável por denunciar o tatuador.

Sem comer e beber

Vítima acumula hematomas por todo o corpo. Foto: Reprodução

A vítima relatou à polícia que o namorado a agredia diariamente no cárcere privado. “Inclusive, ela relata que ficou dois dias sem comer e beber (25 e 31 de dezembro). Ela nos disse que ele a torturava com qualquer tipo de instrumento que tinha na residência, desde cadeira, copo, pedaço de pau, ferro, tudo que ele via pela frente”, informa o delegado da 15ª DP.

O tatuador já tinha passagens pela polícia por homicídio, sequestro e roubo. José Messias cumpriu nove anos de prisão e, há dois, estava em liberdade.

Gutemberg alega que a investigação está longe de se esgotar. “Essa semana será muito importante porque iremos procurar mais informações e envolvidos”, diz.

Vítima viveu dias e noites de terror

Desde o dia 24 de dezembro de 2019, José Messias mantinha a namorada em cativeiro na casa onde moravam, na Ceilândia. A vítima, muitas vezes nua, amarrada e amordaçada, era agredida diariamente com socos, chutes, facas e barras de ferro, por 18 dias seguidos. José Messias fazia ameaças e dizia que se algum vizinho escutasse qualquer barulho, ele arrancaria a cabeça da mulher e jogaria pela varanda.

No dia 31 de dezembro (ou no dia 30 — a vítima não soube afirmar com certeza por conta dos traumas vividos), a mulher teve de voltar ao trabalho. O homem, então, permitiu que ela voltasse para que ninguém sentisse a ausência, mas ameaçou: se alguém ficasse sabendo das agressões, ele a mataria. Neste dia, o agressor ainda rondou o local de trabalho da vítima para impedir que ela tentasse uma fuga ou algo semelhante.

Por conta da presença de policiais próximos à casa, o homem decidiu levar a vítima para a casa da irmã, localizada na QNP 26, também em Ceilândia. Segundo a mulher agredida, a irmã do agressor disse a ela que enquanto eles estivessem ali, ela estaria livre das barbáries. Não estava.

Encurralado, ele ordenou que as duas deveriam mentir aos militares sobre as marcas de agressão. A orientação era falar que a vítima havia apanhado em uma festa, e por isso os hematomas. A mulher agredida, amedrontada, começou a inventar os fatos. Neste momento, a ex-namorada do agressor, que estava com a vítima no momento da conversa com os policiais, decidiu incentivar a vítima a contar tudo que aconteceu.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade