fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Sites do GDF seguem fora do ar

Cerca de 80 órgãos do governo foram alvo de ataques de hackers. Atendimentos presenciais estão mantidos

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Willian Matos, Aline Rocha e Olavo David Neto
[email protected]

Após sofrerem ataques de hackers, cerca de 80 sites oficiais do Governo do Distrito Federal (GDF) seguem fora do ar nesta sexta-feira (6). O Diário Oficial (DODF), por exemplo, não foi publicado.

Autoridades identificaram o ataque e constataram que não houve sequestros de dados. No entanto, a Subsecretaria de Tecnologia (Sutic) age adotando protocolos de segurança para impedir a continuidade de ataques e reestabelecer o ambiente.

Com a indisponibilidade dos sites, alguns serviços estão suspensos por tempo indeterminado. Os portais do Detran-DF, por exemplo, estão fora do ar. Contudo, os atendimentos agendados seguem mantidos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC) e a Subsecretaria de Tecnologia (Secti) seguem investigando o caso.

O ataque

Uma série de ataques cibernéticos deixou a capital da República em estado de alerta. Após a invasão no sistema do Superior Tribunal de Justiça (STJ), na terça-feira (3), foi a vez do Governo do Distrito Federal e do Executivo nacional sofrerem com entradas não autorizadas na rede informacional. Todos os sites do GDF, armazenados sob o sistema GDFNet, foram derrubados por volta das 10h de ontem para conter a ação criminosa. O Ministério da Saúde também foi alvo dos crackers.

As pastas do GDF passaram a quinta-feira com acesso apenas à rede interna.  Principal alvo do ataque, a Secretaria de Economia foi responsável pela derrubada do sistema central do governo candango. Em nota, a Secec afirmou que a Subsecretaria de Tecnologia (Sutic) “já estava em alerta máximo para possíveis tentativas” e já procura uma resolução. Na Secretaria de Segurança Pública (SSP), segundo servidores, a área de TI “fechou” as portas e até tirou o acesso à internet no prédio.

Por ter o portal ligado ao domínio do GDF, a Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) apresentou lentidão por algumas horas em seu portal na rede. De acordo com informações da Coordenadoria de Modernização e Informática (CMI) da Casa, o acesso remoto foi interrompido quando da invasão ao sistema do governo distrital. De acordo com os relatos, nada no sistema do parlamento candango foi afetado. “Agora é monitorar”, disse um dos servidores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nação vulnerável

Especialista em segurança de redes, Ulisses Alves não se surpreende com os ataques. “No meio da tecnologia a gente costuma dizer que a preocupação com a área tecnológica é negligenciada”, aponta. “A alta administração pensa que investiu suficiente, mas é uma constante mutação. Os crackers inovam nos ataques.”

“Eu não acredito que o sistema esteja bem preparado. Pode ser, entretanto, uma situação sem defesa, como a ação de um agente interno.”

Ransomware

Como dito anteriormente, servidores, usuários e magistrados do STJ foram surpreendidos com a queda de todas as salas de transmissão virtual do tribunal. Ao analisar as possíveis causas, servidores do setor de informática e trabalhadores da fabricante dos equipamentos do órgão detectaram uma invasão, com sequestro dos dados da instituição. A tática é conhecida como ransomware e consiste na tomada de uma base de informações, que é criptografada — ou seja, embaralhada — e se torna inacessível ao dono daquele material.

Alves explica ainda que o modus operandi já é conhecido na praça. Golpes com a mesma característica são recorrentes em empresas de pequeno e médio porte, que não têm tanta proteção contra ataques. Uma vez de posse dos dados, os criminosos “geralmente retornam às vítimas. “É compreensível, pois o dono das informações é o único interessado em reavê-las”, explana o especialista. “Esse tipo de ataque prende a vítima a quem conseguiu o acesso indevido. Só tem duas saídas: ou paga o resgate, ou simplesmente usa o backup”, indica.

O problema se torna maior para o STJ, pois, de acordo com informações trocadas entre profissionais de tecnologia da Corte, é possível que os crackers tenham chegado ao sistema de recuperação. “O que é dito em bastidores, é que os dados do ‘becape’ do STJ também foram sequestrados. Aí só uma resta uma saída, que é pagar”, lamenta Alves. Segundo um comunicado assinado pelo servidor Uziel Torres, é exatamente o que aconteceu. “O ambiente virtual terá que ser reconstruído”, afirma o texto. A Polícia Federal (PF) investiga o caso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade