fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Sedes reforça atendimento nos Cras e centros de convivência

Com a pandemia, o atendimento presencial foi suspenso, mas o teleatendimento segue a todo vapor

Avatar

Publicado

em

Foto: Renato Araújo/Agência Brasília
PUBLICIDADE

A Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) tem procurado reforçar o atendimento à população junto aos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) da capital federal. 

Como medida de segurança por causa da pandemia do novo coronavírus, a Sedes suspendeu temporariamente o atendimento presencial nas 61 unidades socioassistenciais de gestão direta do governo distrital. Desta forma, o atendimento remoto tem sido intensificado.

Em razão da grande demanda, as linhas telefônicas precisaram ser reforçadas. “Todos os centros de referência ganharam linhas novas de atendimento à população”, relata a secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha. “Foi a forma que encontramos de manter a rede socioassistencial ativa, minimizando, assim, os possíveis transtornos”.

Chefe do Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos de Ceilândia Sul, Bruno Cezar Alves de Oliveira explica que os profissionais permanecem em comunicação com as famílias dos 89 usuários inscritos na unidade. O atendimento é dividido entre dois grupos; um com 33 crianças e adolescentes entre 6 e 15 anos e outro com 56 adultos e idosos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Relato

“Quando começou a pandemia da Covid-19, eu estava em um momento muito difícil da minha vida e consegui melhorar graças à ajuda que recebi no Cras [Centro de Referência de Assistência Social]”, conta a babá Ana Cleide Araújo, de 29 anos. Atualmente, ela utiliza o Cartão Prato Cheio, com o crédito de R$ 250 que permite a compra dos alimentos para a família.

O benefício foi liberado depois que ela fez a inscrição no Sistema Integrado de Desenvolvimento Social da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), por meio do teleatendimento, com o Cras de São Sebastião.

Após o primeiro contato com o Cras, Ana Cleide, que mora tem um filho pequeno de quatro anos e está grávida do segundo, recebeu o convite para participar de grupo de Whatsapp de gestantes que são acompanhadas pelos profissionais da unidade. “Na minha cabeça, era só um grupo de mães para trocar ideias, mas depois do acompanhamento, eu conheci os serviços que nem sabia que existiam”, relata.

Confira os números de contato dos Cras e Creas do DF:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade