fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Secretaria de Justiça e Cidadania promove debate no dia do idoso

Secretaria de Justiça e Cidadania reforça compromisso com esse segmento, que no DF tem mais de 300 mil pessoas

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

A população idosa do Distrito Federal é de cerca de 300 mil pessoas, o que representa 10,5% da população total do DF. Devido isso, a Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus) se une às iniciativas do Dia Nacional e Internacional do Idoso, comemorado em 1º de outubro, para promover a conscientização e a realização do debate sobre a importância de desenvolver políticas públicas direcionadas a esse segmento . A data coincide com o aniversário de 17 anos do Estatuto do Idoso.

“Cuidar dos nossos idosos é uma missão diária para nós”, destaca a secretária de Justiça e Cidadania, Marcela Passamani. “O Governo do Distrito Federal entende a importância de promover a qualidade de vida para esse grupo e as ações voltadas ao envelhecimento ativo e saudável dos nossos cidadãos.”

Para ampliar o conhecimento da sociedade sobre os direitos dos idosos, a Subsecretaria do Idoso, da Sejus, apresenta um vídeo com orientações dos principais pontos do Estatuto do Idoso. Ministrada por um especialista da área de direito, essa aula poderá ser assistida, virtualmente, no site da Escola Sejus.

Sua Vida Vale Muito

Atualmente, a principal ação da Sejus com essa temática é o programa Sua Vida Vale Muito, que está percorrendo desde agosto as cidades do DF para atender e orientar idosos e seus familiares sobre a Covid-19. Nesse trabalho também são oferecidos atendimentos médicos, sociais, psicológicos, fisioterapêuticos e exames de vista por uma equipe de profissionais voluntários.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mais ações

Outra iniciativa da Sejus é a implantação de três telecentros nas cidades de São Sebastião, Recanto das Emas e Sol Nascente/Pôr do Sol, para ampliar a inclusão digital, social e comunitária dessa população. A secretaria também oferece diversas atividades nos centros de convivência do Recanto das Emas e do Paranoá, que prestam serviços de terapia ocupacional, oficinas e atividades físicas, além de ofertar outras modalidades de lazer e interação comunitária.

População idosa

Assim como no restante do Brasil, a população do Distrito Federal está envelhecendo. Nos últimos dez anos, o número de idosos cresceu 73%, passando de 200 mil, em 2010, para mais de 300 mil em 2020. A estimativa é de 565 mil idosos em 2030, quando o DF terá uma estrutura etária tipicamente de países envelhecidos, com um alargamento da população idosa no topo e um estreitamento da população jovem na base. As projeções são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os números apontam que os brasilienses estão vivendo mais. O DF conta com o terceiro maior índice esperança de vida do Brasil, empatado com o estado de São Paulo e ficando atrás apenas de Santa Catarina e Espírito Santo. A expectativa média é de 78,4 anos de idade, sendo 81,7 anos para mulheres e 74,6 anos para homens. A média brasileira é de 76 anos.

As regiões administrativas (RAs) que concentram o maior número de idosos são Ceilândia, Plano Piloto e Taguatinga. Em relação ao gênero, 57,9% são mulheres. Segundo o estudo, apenas 2,5% das pessoas idosas nasceram no Distrito Federal. A maior parte (43,3%) veio do Nordeste.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Violência

São preocupantes os números de violência contra os idosos no Distrito Federal. Entre março e junho, o Disque 100 recebeu 474 denúncias de violações de direitos da pessoa idosa. Já a Polícia Civil registrou, de janeiro a agosto deste ano, 2.650 boletins de ocorrência de crimes em que as vítimas têm mais de 60 anos.

Em junho deste ano, a Sejus promoveu uma campanha para alertar a população sobre a gravidade desse problema, divulgar os canais de denúncia e, ao mesmo tempo, prevenir e combater as violações de direitos. É importante a colaboração de toda a sociedade, que precisa estar atenta para identificar e denunciar os casos suspeitos.

Denúncias podem ser feitas pelo s telefones 100, 156 e (61) 3207-4242 – este último, da Delegacia de Repressão aos Crimes contra Pessoa Idosa (Decrin).

As informações são da Agência Brasília

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade