fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Saúde: veja na íntegra o inquérito que apura fraudes na gestão Agnelo

Documento mostra compras realizadas para favorecer empresas, dentre outras práticas criminosas. Fraudes ocorreram na gestão Agnelo Queiroz

Willian Matos

Publicado

em

Foto: Divulgação/MPDFT
PUBLICIDADE

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e a Polícia Civil do DF (PCDF) realizaram, nesta quinta-feira (10), uma operação para investigar supostas fraudes na Secretaria de Saúde do DF de 2009 a 2015, na gestão do ex-governador Agnelo Queiroz.

Ao todo, de acordo com as investigações foram fraudadas cerca de 11 licitações para compra de equipamentos, lesando o erário em quase R$ 350 milhões. Entre os investigados, estão os ex-secretários da gestão Agnelo Queiroz, Elias Miziara e Rafael Barbosa.

O inquérito-mãe, ao qual o Jornal de Brasília teve acesso, mostra, por exemplo, que a SES-DF gastou mais de R$ 4,6 milhões (R$ 4.620.000,00) na compra de leitos hospitalares em 2014. A transação beneficiou a empresa Hospimetal. “As investigações até aqui realizadas pelo ministério Público revelaram que a contratação foi direcionada à Hospimetal e que foram praticados delitos para que o negócio fosse adiante”, diz o documento.

Itens comprados na transação irregular. Compra custou mais de R$ 4,6 milhões. Foto: Reprodução

Em delação premiada, o representante comercial da Hospimetal Wiliam Donisete de Paula disse que o esquema criminoso tinha outros personagens organizados em um nível mais alto de poder. Wiliam revelou dois nomes — Fabrício Carone e Ronaldo Pena Júnior — e disse que a dupla estava agindo em nome de Agnelo Queiroz em troca de propina.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Recorte do inquérito. Foto: Reprodução

Dados referentes a contatos telefônicos reiteraram a delação de Wiliam. Ainda sobre ligações, as investigações identificaram 31 entre Daniel Veras e João Kennedy Braga. O Ministério Público identificou Kennedy Braga como cabo eleitoral do ex-secretário de Saúde Rafael Barbosa, que se candidatou a deputado federal em 2014.

João Kennedy Braga estaria participando das reuniões criminosas entre a cúpula da saúde para articular repasses de valores a Rafael Barbosa. Em pesquisa no site da Justiça Eleitoral, o MPDFT identificou que Kennedy doou R$ 30 mil para a campanha de Barbosa. O próprio candidato doou R$ 230 mil para si mesmo.

Mais detalhes sobre a investigação estão contidos no inquérito. Leia na íntegra:

Este navegador não suporta PDFs. Faça o download do PDF para visualizá-lo: Download PDF

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Outros nomes

A investigação desta quinta (10) mira diversos nomes. São eles:

  • Andreia Estelita Perne
  • Claudio Albuquerque Haidamus
  • Daniel Veras de Melo
  • Edcler Carvalho Silva
  • Elias Miziara
  • Flavio Rogério da Matta
  • Gaetano Signorini
  • Gustavo Estelitta
  • José de Moraes Falcão
  • Ivan Castelli
  • Marcia de Andrade Oliveira Cunha Travassos
  • Mariana Estelita
  • Miguel Iskin
  • Rafael Barbosa
  • Renato Lyrio de Mello
  • Roberto José Bittencourt

São cumpridos 46 mandados judiciais no Distrito Federal e nos estados de Rio de Janeiro e Goiás. No DF, há mandados sendo cumpridos no Lago Norte e em Águas Claras.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade