Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Roleta Russa: TCDF aponta mau estado de conservação das edificações públicas do DF

Publicado

em

Publicidade

Pouco antes de parte do Viaduto Galeria dos Estados desabar e chocar a população do Distrito Federal e do país, o Tribunal de Contas do DF havia alertado sobre o mau estado de conservação das edificações públicas da capital federal. Segundo a auditoria realizada, a deterioração fere a Lei de Responsabilidade Fiscal.

No relatório, o órgão relata rachaduras, fissuras nas estruturas, infiltrações, fiação exposta, luminárias ausentes, escadas rolantes e elevadores inoperantes, pisos danificados, dispositivos de combate de incêndio precários, alvenaria, pintura e esquadrias danificadas.

Entre os locais analisados estão: Estacionamento do Conjunto Nacional, Viaduto S2, Viaduto N2, Ponte das Garças, Rodoviária do Plano Piloto, Ponte Honestino Guimarãe, Ponte JK e a Ponte do Braguetto.

Segundo o relatório produzido, a atividade de manutenção no DF é realizada de maneira improvisada, casual e não garante a integridade das edificações públicas. A conclusão é de que também não existe rotina de inspeção e avaliação da situação dos bens para fins de planejamento.

Publicidade

Como exemplo da ausência de manutenção, o corpo técnico do Tribunal de Contas do DF cita a manutenção emergencial realizada na ponte JK no início de 2011, em decorrência de oscilações e desnível na pista. “O Tesouro Distrital é onerado, pois o gestor só cuida de reparar o bem depois de deteriorado, gastando muito mais do que se tivesse realizado adequadamente sua manutenção, conforme preceitua a Lei”, salienta.

Registros

Em fotos registradas pelo órgão, é possível ver trinca e infiltrações na Pontes das Garças, além de junta de dilatação danificada. Já no Viaduto da N2, a armadura metálica aparente apresenta sinais de corrosão.

Na Rodoviária do Plano Piloto, onde transitam milhares de brasilienses todos os dias, nota-se desprendimento de revestimentos na plataforma superior, assim como infiltração nas juntas de dilatação do viaduto e sinais de infiltração na mureta do guarda-corpo.

No Viaduto S2, por sua vez, o órgão fotografou armaduras metálicas dos pilares explostas e apresentando sinais de corrosão, assim como na Ponte do Braguetto.

LRF

Por fim, a auditoria do TCDF concluiu que o GDF fere o artigo 45 da Lei de Responsabilidade Fiscal, que “procura combater a nefasta cultura dos governantes brasileiros de abandonar os projetos iniciados em gestões anteriores, bem como dar pouca atenção à manutenção dos bens públicos existentes, privilegiando o desenvolvimento de novos projetos”.


Você pode gostar
Publicidade