fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Radioterapia do Hospital de Base realizou mais de 44 mil campos em 2019

Serviço ultrapassou marca do que preconizava portaria do Ministério da Saúde

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Desde que assumiu a gestão do Hospital de Base (HB), Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) e das seis Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (IGESDF) tem trabalhado de forma intensa para que a saúde dos brasilienses tenha atendimento eficaz e de qualidade.

Prova disso, são os aumentos nos números de atendimentos, cirurgias e procedimentos realizados ao longo de 2019. Entre os de maior destaque, estão os campos realizados pelo Núcleo de Radioterapia do HB, que ultrapassa a marca dos 43 mil preconizados por antiga portaria do Ministério da Saúde que analisava os dados por campo (SAS/MS 140/2014), chegando a 44.537.

Além disso, o número acima do exigido também pode ser encontrado quando levado em conta a nova portaria do Ministério da Saúde (SAES/MS 1399 – em vigor desde 17/12/2019) que regulamenta os atendimentos nos serviços de radioterapia. Da lista de 600 pacientes tratados que deve ser apresentada anualmente pela unidade de saúde, no HB o número chegou a 633 de janeiro a dezembro.

De acordo com o chefe do Núcleo, Eronides Batalha Filho, a crescente nos números está diretamente ligada a assinatura do Contrato de Gestão entre IGESDF e Secretaria de Saúde, que ocorreu em maio de 2019 e trouxe um impacto positivo na produtividade e qualidade nos tratamentos dos pacientes do HB.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“A adequação do Núcleo de Radioterapia junto aos órgãos regulatórios (ANVISA e CNEN) e resolução de suas diligências associado à implementação de tecnologias e novas rotinas visando às boas práticas em radioterapia trouxe uma melhora expressiva no serviço que o HB vinha prestando. Equipamentos e profissionais, antes não disponíveis no serviço de Radioterapia foram repostos. Além disso, equipamentos em obsolescência, como é o caso do equipamento de Cobalto-60, que comprometiam a produtividade do departamento, foram retirados”, explica o chefe do núcleo.

Segundo a física médica, Isabela Gondin, o Núcleo de Radioterapia do Hospital de Base tem trabalhado com equipamentos que auxiliam substancialmente na escolha do tratamento mais adequado para cada um dos pacientes. Outra conquista sob a administração do IGESDF.

“Com o Sistema de Planejamento em 3D e o Sistema de Gerenciamento, temos a possibilidade de maior controle da radiação sobre o corpo, assim, poupamos as áreas sadias adjacentes aos tumores, fazendo com que o tratamento seja menos agressivo para o restante dos órgãos e tecidos”, avalia.

A paciente Maria Zoraia Borges Soares Costa, de 56 anos, tem vivido na pele os momentos apreensivos do tratamento para um câncer de mama. Porém, destaca que a prestação do serviço no Hospital de Base, desde que descobriu a doença em março do ano passado, tem lhe deixado tranquila e confiante de que logo estará curada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Fiz hoje a terceira, das 15 sessões de Radioterapia que preciso fazer, e toda a equipe do setor, assim como do HB, em geral, tem prestado um atendimento excepcional. Especialmente o doutor Eronides, pois, além de ter abraçado a profissão e estar sempre comprometido com a assistência clínica, trata a todos de maneira humanizada e entende de forma personalizada cada um dos pacientes que chega aqui”, afirma Maria Zoraia.

Para o vice-presidente do IGESDF, Sérgio Costa, o instituto está comprometido com a melhora da saúde pública no Distrito Federal e tem tomado todas as medidas para que o descaso de administrações passadas seja solucionado da forma mais rápida possível a fim de que a população possa contar, cada vez mais, com serviços de excelência.

“Nesse primeiro ano em que estamos à frente do IGESDF, só na Radioterapia, fizemos o triplo de procedimentos com um aparelho a menos. Isso corrobora com o que temos afirmado durante nossa gestão: os números falam por si e demonstram que o esforço de toda nossa equipe tem surtido efeitos. Por isso, temos a convicção de que estamos conseguindo colocar a casa em ordem de forma integral beneficiando todo o Distrito Federal”, destaca Sérgio.

Mais investimentos

A luta do IGESDF contra o câncer e por entrega de serviços cada vez melhores não para. Em 2019, foram iniciadas as obras que permitirão desencaixotar e colocar em funcionamento o PET/CT, equipamento que faz exame de imagem em alta definição e está parado há seis anos no corredor do ambulatório do Hospital de Base (HB). O aparelho custou US$ 1 milhão e é um dos mais sofisticados para diagnosticar e auxiliar no melhor tratamento de pacientes com câncer.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fora isso, a reestruturação e ampliação dos serviços de radioterapia e oncologia estão entre as 15 metas estruturantes nas quais trabalha o instituto de gestão com a intenção de melhorar ainda mais o serviço prestado pelos núcleos.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade