Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Quase 3 mil estudantes participam de simulado para o Enem

Provas serão aplicadas nos dias 21 e 22 de outubro no Ensino Médio e na EJA

Publicado

em

Foto: Divulgação
Publicidade

A hora é de testar os conhecimentos para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). E isso será feito por meio de um simulado a ser realizado nos dias 21 e 22 de outubro, por quase 3 mil estudantes de Ensino Médio e do 3º segmento da Educação de Jovens e Adultos (EJA) de unidades de ensino da Coordenação Regional de Ensino do Plano Piloto (CRE PP). As provas serão aplicadas no horário da aula e terão a duração de cinco horas e meia.

A ideia partiu dos gestores e contou com o apoio da CRE PP da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal, que foi atrás da iniciativa privada e da Universidade de Brasília para ajudar a garantir a estrutura para a avaliação. “Os nossos jovens estão estudando há meses e precisam ter uma ideia do que já assimilaram e de quais conteúdos devem reforçar. Estamos na reta final, queremos que eles tenham os melhores resultados no Enem e o simulado vai ajudar nisso”, afirma o coordenador da CRE PP, professor Álvaro Matos de Souza.

Tudo foi preparado para que o simulado ocorra nos mesmos moldes do Enem. A Único Educacional (escolar particular) realizou a impressão das provas e dos cartões de respostas bem como fará a leitura do gabarito. Posteriormente, cada estudante receberá de forma individualizada um boletim de rendimento apontando as principais dificuldades que precisam ser sanadas. A equipe da CRE PP e as unidades de ensino receberão um mapeamento do desempenho geral dos participantes. E as ações não param por aí. Os melhores colocados no simulado ganharão bolsas de estudo para o curso preparatório do Único Educacional.

A correção das redações ficará sob a responsabilidade de professores da rede pública de ensino que atuam no Ensino Médio e EJA, e estudantes do curso de Letras da UnB. Todos passaram por uma capacitação e seguirão os mesmos critérios e procedimentos adotados no Enem. A presença dos universitários e futuros educadores se dá por intermédio do envolvimento da Coordenação de Integração de Licenciaturas, vinculada ao Decanato de Ensino de Graduação, e com o apoio do Instituto de Letras, da UnB, com a ideia.

“Isso é bom para os dois lados. De um, é bom para o estudante da UnB que por meio do treinamento já conheceu as cinco competências que serão avaliadas no Enem e como é o trabalho de correção. Eles aprendem na prática a questão da avaliação do exame e quando forem professores vão poder passar isso para os alunos deles. Isso é muito importante para a formação inicial de futuros professores. Por outro lado, o simulado dá aos estudantes da Secretaria de Educação a oportunidade de treinar as capacidades, afirma Eloisa Nascimento Silva Pilati, da Coordenação de Integração das Licenciaturas.

Grande expectativa

O simulado é bem visto não só pelos participantes, mas também pelos gestores. O professor Getúlio Souza Cruz, que está à frente do Centro de Ensino Médio Integrado do Cruzeiro esbanja entusiasmo em relação à iniciativa e garante que a participação dos estudantes está garantida. “O simulado é uma forma de testar os conhecimentos para o Enem, pois dá a chance de o aluno participar, se inteirar do que é o processo. Os nossos alunos que são de escola pública têm necessidade de acesso às universidades. A nota do Enem reverte em bolsas e em outras possibilidades. Acho fundamental a existência desse processo”, avalia.

A galera está a todo vapor. Entre os que não pensam em outra coisa a não ser a vitória na prova está o Davi Rodrigues Vaz Barreto, matriculado no Cemi Cruzeiro. O jovem está focado em ter boa nota no exame e o simulado é tratado com seriedade. “A importância do Enem para nós do Ensino Médio é total. Ele abre os horizontes para entrarmos na faculdade. De acordo com o que a gente escolher, a gente consegue entrar na faculdade mais fácil. Tudo é possível se você estudar. Se você estudar vai ter uma nota merecedora para tirar uma nota boa e fazer o curso que escolher. Tem que fazer o Enem”, afirma com otimismo.

Com assessoria


Você pode gostar
Publicidade