fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Projeto do Iphan ensina crianças das escolas públicas o que é o patrimônio

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Lígia Vieira
redacao@grupojbr.com

Quanto mais cedo se aprende sobre o patrimônio de uma sociedade e o que ele representa, mais ele é preservado. A Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do DF (Iphan) lançou em escolas, esta semana, o primeiro livro da coleção Patrimônio para Jovens, que tem o objetivo de educar crianças sobre a importância da preservação dos patrimônios do DF. A obra Athos, colorindo Brasília surgiu pois o órgão percebeu que não havia uma literatura voltada a jovens sobre o tema. Também é uma homenagem, já que Athos Bulcão, conhecido pelos azulejos da cidade, completaria 100 anos neste ano.

O livro será distribuído nas escolas públicas do DF e algumas delas foram escolhidas para receber o lançamento. No evento, que passou pela Escola Classe 407 Norte, Escola Parque EQS 307/308 e Escola Classe 316 Sul, contou com a visita do Boneco Vovô, que representa o próprio Athos Bulcão. O personagem narra um pouco da história do artista, enquanto faz perguntas sobre os patrimônios da cidade para as crianças e, pelo menos, os alunos da Escola Parque da 307/308 Sul sabiam responder todas elas.

A coletânea, que ainda não teve os outros títulos divulgados, é uma parceria do Iphan com a Secretaria de Educação. “Percebemos a carência de material de educação patrimonial voltado aos jovens. Quando se tem, é concentrado no Plano Piloto. Sem contar que patrimônio não é apenas o arquitetônico, é mais abrangente, envolve também o cultural”, afirma o superintendente do Iphan DF, Carlos Madson.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesta primeira edição, a história começa com a vinda de Athos Bulcão a Brasília. Depois conta as impressões do artista sobre a cidade, ao lado de quais personalidades trabalhou. Mais ao fim, traz atividades lúdicas para as crianças entenderem melhor as obras de Athos.

O professor da Escola Parque EQS 307/308 e doutor em Artes Cleber Cardoso Xavier achou interessante essa iniciativa do Iphan. De acordo com o docente, ensinar desde cedo sobre a preservação patrimonial faz com que os alunos virem multiplicadores dessa prática.

Foto: Kléber Lima/Jornal de Brasilia

Tombamento

“Essa escola é tombada. Então, a gente tenta trazer a conscientização sobre a preservação dos espaços e da cultura de Brasília”, explica o professor do centro de ensino Cleber Xavier. No local, foi realizado o lançamento do livro Athos, colorindo Brasília, nessa quarta-feira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os professores do colégio, localizado logo atrás da Igrejinha Nossa Senhora de Fátima, também se importam com a educação patrimonial e criaram há 8 anos o projeto Preservartepatrimônio, uma iniciativa que pretendem expandir para outros centros de ensino do DF. Uma parte do projeto são as aulas passeio, em que o professor caminha pela superquadra e demonstra que até o local que estão é um patrimônio. “Eles aprendem que a vizinhança é o patrimônio de cada um, é o local onde vivem, brincam. Então, fica mais fácil mostrar que é preciso cuidar do que é deles”, conta Cleber Xavier.

Um novo olhar sobre a cidade

A criadora do Preservartepatrimônio, Glorinha Yung, se aposentou recentemente das salas de aula da Escola Parque e adora contar os resultados que obteve quando ainda estava lecionando. “Os alunos que participam do projeto leram o livro O menino que descobriu Brasília, de Regina Célia Melo e Al Stefano. Na época, uma estudante tinha acabado de se mudar para cá e depois que descobriu sobre o patrimônio saiu com os pais mostrando um a um. Ela é a expressão do meu trabalho”, comemora.

A professora aprovou o projeto do Iphan, pois ela enxerga que há dificuldade em encontrar materiais como os livros da coleção. “Se você contar 15 livros de educação patrimonial voltados para criança, é muito”, comenta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Saiba Mais

Brasília tem a maior área tombada do mundo, com 112,25 km² de bens considerados Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco. São patrimônios no DF:

Igreja Nossa Senhora de Fátima
Torre de TV
Parque da Cidade
Congresso Nacional
Catetinho
Repente
Teatro de Bonecos
Roda de Capoeira


Trecho

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Livro de estreia
“E as próximas gerações também têm o direito de desfrutar dessas maravilhas. E é por isso que é dever de cada um de nós ajudar a preservar cada espaço, cada obra de arte, cada jardim, com bastante carinho e dedicação”.

Lançamento do Livro Atos-Pintando Brasilia, escola parque 308 Sul. Foto: Kléber Lima/Jornal de Brasilia


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade