Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Postos de saúde registram longas filas no 1º dia de vacinação no DF

Publicado

em

Publicidade

Matheus Venzi
matheus.venzi@grupojbr.com

Nesta segunda-feira (23), postos de saúde do Distrito Federal registraram longas filas nas primeiras horas da campanha nacional de vacinação contra três tipos da gripe: o Influenza A, nas variações H1N1 e H3N2, e o Influenza B.  No DF, o objetivo  é atender 706.988 pessoas nos 114 postos habilitadas para aplicar a vacina até 1º de junho. O horário de funcionamento é das 8h às 19h.

Com a demanda, algumas unidades de saúde tiveram que repor o estoque ainda ao longo da manhã. A Secretaria de Saúde informou que as geladeiras dos centros de saúde não comportam muitas doses. Com isso, o reabastecimento será feito diariamente.

A técnica em enfermagem Elizabeth Santiago, 51 anos, precisou dar duas viagens para receber a vacina. Ela contou à equipe de reportagem que, pela manhã, foi até o Centro de Saúde n°3 de Ceilândia Sul com o seu neto, João Paulo, 2 anos, para receberem a imunização, mas não conseguiram mesmo após duas horas na fila.

Publicidade

“Quando chegou a nossa vez falaram que o estoque acabou. Fiquei chateada por não avisarem antes. Ainda bem que eu voltei agora no início da tarde e o estoque já havia sido reposto”, comenta.

A Secretaria de Saúde informa que recebeu 400 mil doses e, até o fim da campanha, deve receber outras 300 mil. A vacina está disponível apenas para o público-alvo, considerado mais suscetível ao agravamento de doenças respiratórias.

Fazem parte do grupo:

. Trabalhadores de saúde
. Povos indígenas
. Crianças na faixa etária de seis meses a menores de cinco anos (quatro anos 11 meses e 29 dias)
. Gestantes em qualquer idade gestacional
. Puérperas (até 45 dias pós-parto)
. Indivíduos com 60 anos ou mais de idade
. Pessoas portadoras de doenças crônicas e outras categorias de risco clínico
. População privada de liberdade
. Funcionários do sistema prisional
. Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos em cumprimento de medidas socioeducativas
. Professores das redes pública e privada

 


Você pode gostar
Publicidade