fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

POLIOMIELITE: Brasília tem queda em cobertura de vacina

Alcance da vacinação caiu dos 89% entre janeiro e abril de 2019 para 67,3%. Uma nova campanha está sendo organizada pela SES

Lucas Neiva

Publicado

em

PUBLICIDADE

Mesmo com a oferta gratuita em postos de saúde no Distrito Federal, a cobertura da vacina contra a poliomielite (popularmente conhecida como paralisia infantil) em crianças de até cinco anos em Brasília caiu dos 89% entre janeiro e abril 2019 para 67,3% no mesmo período de 2020. Uma nova campanha organizada pela Secretaria de Saúde tenta, até o dia 30, alcançar um maior índice de imunização contra a doença no DF, sendo 95% a taxa de cobertura ideal.

A queda na adesão à vacina contra a poliomielite, segundo o secretário-adjunto de assistência à saúde no Distrito Federal Petrus Sanchez, não é um fenômeno tão recente. “Nos últimos anos houve uma adesão mais baixa, em 2015, 2017 e 2019. Esse ano, infelizmente a adesão foi mais baixa ainda, a ponto de agora, com o controle da pandemia do covid-19, estarmos fazendo esse chamamento para que possamos ampliar essa adesão e chegar aos 95%”.

A Secretaria de Saúde acredita que o covid-19 tenha sido o principal responsável pela queda de 22 pontos percentuais na cobertura da vacina no DF. “Este ano tem sido atípico e a pandemia pelo novo coronavírus pode ter sido o motivo da baixa procura. É importante frisar que todas as medidas de segurança estão sendo tomadas nas unidades básicas de saúde, como sinalização para o distanciamento social, disponibilização de álcool em gel e orientação quanto ao uso da máscara”, declara a assessoria de comunicação da secretaria.

Possibilidade de novo surto

A poliomielite foi erradicada no Distrito Federal em 1987, e em 1989 foi registrado o último caso da doença no Brasil. No mundo, ela ainda é detectada em dois países: o Afeganistão e o Paquistão. Mas a médica alergista Valéria Botan alerta que, se não forem mantidas as políticas de prevenção, a doença pode voltar, dando como exemplo o retorno do sarampo ao Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em 2016, a sarampo havia sido erradicada do Brasil. Mas o mesmo não aconteceu com os países vizinhos. “Na Venezuela, a sarampo não foi erradicada e a vacina sequer chegou a ser obrigatória. Em 2018, houve uma imigração muito grande de venezuelanos para o norte do Brasil, e muitos deles trouxeram o vírus do sarampo para dentro do Brasil, e a doença se alastrou de novo. Tanto que o governo precisou fazer várias campanhas de vacinação tanto para crianças quanto para adultos para tentar bloquear a propagação do vírus”, conta a médica.

Sequelas graves

Um dos principais problemas relacionados à poliomielite são as consequências a longo prazo deixadas nas pessoas que sofrem da doença. “Os sintomas iniciais são os sintomas comuns de qualquer infecção viral: dor de cabeça, dor nos olhos, febre, dor no corpo. Mas com o passar do tempo, o vírus atinge a musculatura do corpo. O paciente começa a desenvolver fraqueza muscular e tremores até atingir a total paralisia. (…) Mas um dos principais problemas acontece quando o vírus atinge o sistema nervoso central. Nesse ponto, a pessoa pode desenvolver paralisia total de um membro inferior, sem expectativa de retorno”, explica Valéria.

A transmissão da poliomielite pode ocorrer por via aérea, mas a principal forma é por meio de contato do hospedeiro com as fezes da pessoa contaminada, risco constante em locais onde há falta de saneamento básico ou más condições de higiene.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade