fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Polícia Civil prende homem por estelionato sentimental

Ele é acusado de seduzir vítima, lhe tomar cerca de R$ 300 mil e fugir alegando que estava com câncer em fase terminal

Willian Matos

Publicado

em

Foto: arquivo pessoal
PUBLICIDADE

Lucas Neiva e Willian Matos
[email protected]

A Polícia Civil do DF (PCDF), por meio da Coordenação de Repressão a Crimes Contra o Consumidor, a Propriedade Imaterial e a Fraudes (Corf), prendeu na terça-feira (23/7) um homem acusado de estelionato sentimental. Ele teria atuado não só no DF, mas também em São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás, Mato Grosso, e Minas Gerais.

O homem foi identificado como Darlan Jessie de Oliveira Bolenner, de 31 anos. Ele é conhecido como Gabriel Arcanjo, mas usava diversos nomes e apelidos para atrair as vítimas, como Jessie Bolenner, Jessie Gabrowski e Antony Gabrowski. A delegada da Corf, Isabel D’Ávila, detalha:

Em fevereiro de 2019, ele se apresentou a outro rapaz como médico, empresário e neto de desembargadores. Foi seduzindo-o e, quando conquistou a confiança amorosa dele, foi pedindo dinheiro através de depósitos, transferências, saques e cheques.

Quando levantou o dinheiro, “Gabriel Arcanjo” desapareceu dizendo estar em fase terminal de um câncer. O prejuízo foi calculado pela vítima do DF em R$ 300 mil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Darlan foi preso na casa de um parente em Aparecida de Goiânia-GO em razão de mandado em prisão preventiva expedido pela Vara Criminal de Taguatinga. Interrogado, ele afirma que ganhou o dinheiro porque a vítima emprestou por livre e espontânea vontade.

Ele foi preso preventivamente por estelionato continuado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Outros casos

Desde 2012, Darlan pratica golpes em diversos estados, como São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais e o DF. A primeira de sete ocorrências sobre ele é a respeito de um emprego falso oferecido no estado mineiro. Há informações de que ele também vendia bolsas de estudos falsas em Mato Grosso. Segundo a delegada Isabel D’Ávila, é possível que haja mais vítimas, mas nem todas chegam a denunciar.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade