fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Pistolas infravermelho aferem temperaturas abaixo do normal

Leitura errada da temperatura pode comprometer segurança em shoppings e comércio no DF

Vítor Mendonça

Publicado

em

PUBLICIDADE

Clientes do comércio e empregados no Distrito Federal têm relatado aferições de temperatura abaixo da considerada normal para um ser humano saudável. De acordo com depoimentos coletados pelo Jornal de Brasília, algumas pessoas chegaram a apresentar 29°C o que pode indicar defeito no equipamento ou falta de calibragem.

O uso correto das pistolas infravermelhas – que aferem a temperatura pela testa serve de referencial para a detecção de consumidores febris ou com febre em estabelecimentos comerciais. Conforme decretos publicados pelo governo local quando da reabertura do comércio, quando apontadas temperaturas acima de 37,3°C, clientes não podem entrar nos comércios e devem ser orientados a buscar a unidade de saúde mais próxima. Em níveis tão baixos de aferições, a eficácia se torna duvidosa.

Foi o que aconteceu com Ana Luísa Andrade, 24, em um supermercado em São Sebastião. Lá a temperatura corporal aferida foi abaixo dos 30°C. “Deu 29° C. O funcionário só me mostrou porque eu perguntei mesmo. Mas nem pensei muito, só passei”, afirmou a consumidora. De acordo com ela, a pistola estava a quase 20 cm de distância da testa. “Acho que falta treinamento e calibragem do equipamento para evitar que pessoas que estejam com febre frequentem lugares públicos”, disse.

Carolina Prata, 25, recebeu instruções rígidas para lavar as mãos, fazer o uso do álcool em gel e medir a temperatura corporal na empresa onde trabalha.O termômetro apontou 32° C na pistola. “Achei estranho, mas deixei de lado. Já mexi com termômetros para meu trabalho de conclusão curso, mas para a aferição do ar atmosférico. Sei que precisa de uma calibragem correta e provavelmente esses erros são por esse motivo”, disse a estudante.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Ninguém me mostrou quanto tinha dado, eu que vi. Mas nem tive tempo de reação; já me pediram para limpar o sapato, lavar as mãos, etc. Foi tudo muito rápido e só quando cheguei em casa prestei atenção”, relatou. Em um mercado que foi certa vez, o feedback também não foi dado após a aferição.

“Estou congelando”

Situação parecida ocorreu com Roman Cuattrin, 48 anos, em um shopping de Águas Claras. Segundo o bancário, apesar da preocupação do centro comercial em medidas de distanciamento e aferição de temperatura, em uma das medições feitas foi apontado que seu corpo estava com 33° C. “Ah, então eu morri. Já estou congelando”, declarou ele. “Duvido que eu estivesse naquela temperatura. Mas em uma das lojas, a temperatura estava normal, com 36° C”, comparou. A distância percorrida pelo consumidor não passou de 2 minutos. “Talvez tenha faltado uma calibragem do aparelho ou então uma orientação mais detalhada de quem está fazendo a medição. Acho que faltou um pouco de treinamento”, opinou.

É preciso calibrar

De acordo com o professor Alessandro Borges, especialista em medições e instrumentação do departamento de Engenharia Automotiva da Universidade de Brasília (UnB), instrumentos “só passam a ser de medição se estiverem calibrados”. “Este é o ponto inicial. O que acontece é que essas pistolas têm modos de operação e configurações que podem ser ajustadas para melhorar a forma de medição. Pode haver bastante desvio se utilizadas de forma incorreta”, alerta o acadêmico.

Sol e ar condicionado interferem

As pistolas infravermelho, segundo o professor, analisam um índice de emissividade – fator de emissão de energia – de um material. Caso não haja adequação no aparelho para a pele humana, é provável que apresente um resultado diferente do usual. “Como ela serve para medir a temperatura de qualquer objeto, ela não vai saber se você está medindo um ser humano ou uma mesa. Cada tipo de material responde de uma forma diferente”, explicou Alessandro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O professor explica que alterações pela temperatura na qual a pele esteve exposta podem acontecer. “Se a pessoa está em um ambiente mais frio, a pele pode estar com uma temperatura mais baixa um pouco, mas depois de três minutos a temperatura volta”, disse. Outra opção é procurar alguma área do corpo que esteja protegida, como o pulso.

De acordo com o vice-presidente do Sindicato do Comércio Varejista do DF, (Sindivarejista/DF), Sebastião Abritta, a orientação para a compra dos termômetros é feita com base nas marcas e modelos indicados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e organizações sanitárias. Em aferindo temperaturas diferentes das normais, a orientação dada por Abritta é que o procedimento seja feito novamente, após um breve período, e que seja perguntado ao cliente se esteve exposto ao sol ou ao ar condicionado.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade