fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

PCDF fecha laboratório de plantação de maconha em estufas

A corporação encontrou cerca de 20 pés de maconha em vasos com substrato e adubação, cultivados em três estufas estruturadas com ventilação e iluminação artificial, além de mais de 30 mudas

Avatar

Publicado

em

Foto: Divulgação/PCDF
PUBLICIDADE

Por meio da 11ª Delegacia de Polícia (DP), a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) fechou, na manhã desta quarta-feira (29), um laboratório de plantação de maconha em estufas, que funcionava em um apartamento de um prédio residencial no Núcleo Bandeirante.

A corporação encontrou cerca de 20 pés de maconha em vasos com substrato e adubação, cultivados em três estufas estruturadas com ventilação e iluminação artificial, além de mais de 30 mudas de maconha que já estavam prontas paras serem plantadas.

Além disso, foram encontradas, também, folhas secas de maconha já colhidas, flores da planta armazenadas em vidros, além de lâmpadas, thinner, insumos, cadernos com anotações do processo de plantio, uma estufa utilizada para secagem da droga e outros equipamentos utilizados no cultivo.

O homem responsável pelo local foi autuado em flagrante pelo crime de tráfico de drogas. Ele ia diariamente para cuidar das plantas e no apartamento em que mora, na Asa Norte, foram também encontrados vários potes de vidro com maconha armazenada e uma balança de precisão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo mostram as investigações da PCDF, o laboratório foi montado no final do ano de 2019 e contou com um investimento inicial de R$ 10 mil. Todos os meses era gerado um custo de quase R$ 2 mil com aluguel, contas de luz, água e insumos utilizados. Até o momento foram identificadas pelo menos duas espécies da planta, Cannabis Sativa e Cannabis Indica.

Elas têm aparência, efeitos e até períodos de cultivo diferentes, que variam de 45 a 90 dias. O cruzamento das espécies produz elevados níveis de THC e CBD, principais cannabinoides da maconha. As investigações vão prosseguir no intuito de identificar pelo menos outras quatro pessoas que estariam envolvidas com a plantação ilícita.

Veja algumas imagens do local:

 




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade