Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Palhaço assustador de Ceilândia era armação de dono de página no Facebook

Publicado

em

Publicidade

Douver Barros
douver.barros@jornaldebrasilia.com.br

Para pegar carona na onda dos palhaços aterrorizantes, o administrador de uma página de humor de Ceilândia resolveu fantasiar-se e vagar pelas ruas da cidade. Na madrugada de quarta-feira (12), Naldo Lopes vestiu uma calça, um blazer e pôs uma máscara no rosto. As mãos carregavam algo que se assemelhava a um machado. O local escolhido por ele foi a QNO, no Setor O, em Ceilândia.

“A ideia surgiu com a repercussão dos casos nos Estados Unidos”, disse Naldo, que comemora o fato de gerar famosos trols pela internet. Na página dele, “Ceilândia Muita Treta”, foi publicado um vídeo do suposto palhaço, seguido de um relato. “Estava voltando do show do Jorge e Matheus. Fui deixar um amigo no Setor O e, quando estava passando pelo lixão, vi uma pessoa fantasiada de palhaço”, diz o texto.

A repercussão foi imediata. O post gerou mais de 3.600 compartilhamentos e cerca de 3.800 curtidas. Na manhã desta quinta, Naldo finalmente assumiu a autoria do feito. “Me vesti de palhaço e gravei um vídeo de dois minutos para postar na página Ceilândia Muita Treta”, revelou. “A página é de humor”, justificou ele.

Publicidade
Reprodução

Reprodução

A ideia de Naldo gerou insegurança entre os moradores do Setor O. A empregada doméstica Amanda Rodrigues até abriu mão das caminhadas que fazia por ali depois que soube da presença do suposto palhaço. “Deu medo, né? Pra mim era verdade”, disse. “Foi só uma brincadeira. Por sinal, muito sem graça. Deixou muita gente com medo”, afirmou Amanda ao descobrir a verdade sobre o caso.

Moda

A moda dos palhaços com máscaras assustadoras iniciou em diversas cidades dos Estados Unidos, se espalhou pelo Reino Unido, Austrália e já há registros destas figuras perambulando pelas cidades brasileiras. Em geral, eles andam à noite em locais escuros ou de baixa iluminação e surgem do nada para assustar pedestres.

O fenômeno fez com que a rede McDonald’s limitasse as aparições públicas de Ronald McDonald, mascote do grupo. “Estamos cientes do atual clima gerado pelos palhaços avistados em diferentes comunidades e, por causa disso, estamos sendo cuidadosos com a participação de Ronald McDonald em eventos”, disse a empresa em comunicado.


Você pode gostar
Publicidade