Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Núcleo de Cooperação Internacional visita embaixada do Equador

O promotor de Justiça Roberto Carlos Batista e o embaixador Diego Ribadeneira trataram da cooperação técnica e jurídica

Publicado

em

Publicidade

Da Redação
redacao@grupojbr.com

Na última segunda-feira (10) o Núcleo de Cooperação Internacional (NCI) do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) visitou a embaixada do Equador. No encontro, a procuradora de Justiça Arinda Fernandes, o promotor de Justiça Roberto Carlos Batista e o embaixador Diego Ribadeneira trataram da cooperação técnica e jurídica.

Diego Ribadeneira destacou interesse na cooperação bilateral entre Brasil e Equador, referente ao combate à corrupção, ao meio ambiente e às questões da região amazônica por meio da Organização de Tratado de Cooperação Amazônica. Além disso, ressaltou o protagonismo do seu país na luta pela igualdade de gênero. O embaixador enfatizou a representatividade das mulheres e das minorias, como os afrodescendentes e os povos indígenas, na administração superior e no Ministério Público equatoriano. O órgão é chefiado pela afro-equatoriana, Diana Salazar Méndez, e, em outubro, a consulesa Verónica Larrea, que pertence a uma etnia indígena, assumirá o cargo.

Roberto Carlos Batista explicou o funcionamento do Ministério Público brasileiro e as atribuições. O promotor de Justiça falou sobre as possíveis ações de cooperação técnica que poderão ser conduzidas conjuntamente em relação ao direito ambiental, à luta contra a corrupção e os crimes organizados, à igualdade de gênero e aos menores infratores por meio de seminários e estágios de formação. Os representantes do MPDFT também manifestaram apoio em intermediar reunião entre a embaixada e a Defensoria Pública do Distrito Federal.

Publicidade

Para o promotor de Justiça, a visita foi importante porque “a partilha de experiências dos profissionais do MPDFT e dos povos equatorianos permitirão o engrandecimento de todos com programas e projetos comuns sobre matérias que estão sob a responsabilidade do Ministério Público”.

Com informações do MPDFT. 


Você pode gostar
Publicidade