fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Jogue lixo no lixo: SLU instala 1.130 lixeiras em locais de grande circulação

Companhia pretende instalar 21 mil delas nas 33 regiões administrativas da capital. GDF deve investir R$ 2,5 milhões no serviço

Avatar

Publicado

em

Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília
PUBLICIDADE

Em cerca de um mês, o Serviço de Limpeza Urbana (SLU) instalou 1.130 lixeiras em locais de grande circulação do Distrito Federal. A companhia espera instalar, ao todo, 21 mil em todas as regiões administrativas.

Neste sábado (5), 21 novas papeleiras foram colocadas próximas a pontos de ônibus, passarelas e pontos de encontro comunitário (PECs) na Estrada Parque Taguatinga (EPTG) e no Guará.

A primeira fase da operação prevê a instalação de 5.650 lixeiras até fevereiro de 2021. O Governo do Distrito Federal gasta R$ 2,5 milhões com o serviço.

As novas lixeiras (ou papeleiras, nome técnico dos itens), são feitas de plástico, pintadas na cor cinza, possuem o logotipo do SLU e são fixadas em postes, presas com uma alça metálica, ou em paredes. Cada uma possui 74,5 cm de altura, 42,5 cm de largura e 32 cm de profundidade, com uma abertura de 31 cm x 9,5 cm para o descarte de objetos de pequeno porte, apresentando capacidade volumétrica de cerca de 50 litros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A instalação é rápida, sendo executada em poucos minutos. A parte superior da papeleira, por onde o lixo é descartado, é presa a duas fitas de aço, que seguram a estrutura em um poste, por exemplo. Cada fita possui uma presilha, que é fechada com um martelo. Após essa etapa, basta forrar a parte inferior da lixeira com um saco plástico adequado para armazenar os materiais descartados e prendê-la no encaixe.

Ana Lídia Almeida, 48 anos, moradora do Lúcio Costa, presenciou a instalação de uma das papeleiras em uma parada de ônibus na EPTG e aprovou a medida. “Achei muito bacana, ponto positivo pro governo. Acho que as pessoas têm que ser mais conscientes, não jogar lixo no chão, e ter um equipamento novo vai ajudar nisso”, afirma a profissional autônoma.

Com informações da Agência Brasília

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade