Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Indígenas lamentam homofobia em aldeias

Para pesquisadora, antes da chegada dos portugueses a homossexualidade era algo comum em comunidades tradicionais

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Por Geovanna Bispo e Helena Mandarino
Jornal de Brasília/Agência UniCeub

“Se você é indígena, você já vai ter uma luta muito grande a seguir. Você sendo indígena e LGBTQ+, você vai ter uma luta muito maior”. O lamento é do estudante de direito Fetxawewe Tapuya, que é indígena e ativista.  Para ele e outras pessoas na mesma orientação, a homossexualidade é um tabu também em comunidades tradicionais e seculares.

História semelhante também tem o estudante Danilo Ferreira. “Na minha aldeia, o povo tem um pensamento já colonizado pelo machismo e homofobia. Todos os LGBTQ+, que são poucos assumidos nas comunidades. São bem coagidos, num sentido literal da palavra”. O indígena acrescenta que o preconceito era tão grande que, às vezes, preferia não sair de casa para não ouvir comentários. 

Imposições

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os entrevistados fazem parte de dois povos distintos, mas contam como a cultura católica e portuguesa influenciou no pensamento dos indígenas ao longo dos séculos. “Acredito que sim, a colonização veio com muita coisa imposta para os indígenas, entre elas não só a homofobia, mas todo esse contexto de indígena machista”. Fetxawewe aponta que, quando a aldeia se junta para conversar sobre temas como questões de gênero, há um questionamento sobre o que realmente é uma herança dos seus antepassados. 

Danilo tem 19 anos e se surpreendeu com a aceitação da família. Foto cedida por Tony Leão Santana

Danilo também associa esse preconceito à falta de informação. “Eu acho que quando eu entrei na universidade eu recebi várias informações que hoje eu posso me defender. Hoje tenho conhecimento para não abaixar a cabeça quando for tratado assim”. Essas palavras vêm depois de contar que outras pessoas na sua comunidade são pressionados a não se assumir gays ou a se esconder. Os dois jovens ainda contam que seus pais e a família mais próxima lidaram de forma surpreendentemente bem ao aceitarem a novidade.     

“Sexualidade silenciada”

A antropóloga indígena Braulina Aurora afirma que antes da chegada dos portugueses a homossexualidade era algo comum e que o contato com os “não indígenas” fez com que a cultura deles se perdesse, assim como a sua sexualidade, que se tornaram adormecidas e silenciadas “A colonização das igrejas condenou essa prática nas comunidades, pois aprenderam sobre o pecado e não sobre o sentimento”, considera. 


Você pode gostar
Publicidade
Publicidade
Publicidade