Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Ibaneis Rocha acerta o tom e aponta o norte para o DF

Durante entrevista, Ibaneis afirmou que serão feitos investimentos em saúde e infraestrutura e, mesmo com privatizações, funcionários tem emprego garantido

Publicado

em

Foto: Renato Alves/Agência Brasília

Aline Rocha
[email protected]

Na manhã desta sexta-feira (12), o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, participou de coletiva de imprensa durante a divulgação do retorno das obras de Vicente Pires. Além das obras de melhoria na cidade, Ibaneis fez questão de reforçar que os investimentos serão feitos em todo o Distrito Federal (DF).

De acordo com ele, com o trabalho dos deputados e a possível aprovação da Reforma da Previdência, serão destinados entre R$ 180 milhões e R$ 200 milhões para obras de melhorias na capital. “Esse valor será destinado na ordem de saúde, educação e creches, que a população têm uma carência muito grande”, explicou o governador.

Algumas das obras que serão feitas visando a melhoria da população são: construção de seis Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), com cidades já definidas e algumas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), em cidades já definidas, como Vicente Pires. De acordo com o governador, nos seis meses de 2019 “conseguimos reverter a queda de desemprego” e, a partir de agora, é importante trabalhar para melhorar a situação. “Agora temos que virar a mesa do desemprego do DF, trazendo mais qualidade de vida”.

Secretaria do Patrimônio da União

Questionado sobre as negociações feitas com a Secretaria do Patrimônio da União (SPU), Ibaneis afirmou que já estão bem avançadas e que o objetivo é fazer “a maior regularização da história do Distrito Federal, com a entrega das escrituras, financiamento do BRB, tudo bem encaminhado”.

“A população terá excelentes novidades”, afirmou o governador. Ele revela, também, que deverão regularizar os prédios comerciais de Vicente Pires que estão dentro das normas estabelecidas de segurança.

Foto: Renato Alves/Agência Brasília

180 dias de Governo

Fazendo um balanço dos 180 dias no Governo do Distrito Federal (GDF), Ibaneis diz que está muito feliz com os resultados. “Tudo o que pensamos na campanha está sendo colocado em prática, mesmo com todas as dificuldades […] nós conseguimos avançar em vários pontos”, ressalta.

Ele fez questão de destacar, também, alguns pontos conquistados durante os seis primeiros meses de governo: seis UPAs foram construídas; o Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) foi entregue; 3 mil funcionários já foram contratados para a área da saúde; todas as delegacias estão funcionando; mais 700 Policiais Civis e 800 Policiais Militares estão nas ruas; as escolas compartilhadas foram aprovadas pela população e pelo Governo Federal, que passará a colocar as escolas compartilhadas no âmbito nacional; e as obras no Sol Nascente estão em ritmo acelerado.

Ele reforça, também, que procura gerar progresso para todas as áreas do DF, com um programa de asfaltamento das ruas e um programa de tapa buracos, com investimento de R$ 150 milhões, feitos pelo GDF e pela Terracap, com financiamento do BRB. Esse valor será distribuído entre calçadas e asfaltamentos nas obras do Noroeste. “Tenho certeza que alguns erros aconteceram, mas foram todos na tentativa de acertar na melhoria do DF”, afirma Ibaneis, que diz não ter se arrependido de entrar na vida política.

Greve do Metrô

O governador participará, na tarde desta sexta-feira (12), de reunião para tratar da nova proposta que será apresentada aos trabalhadores. “A decisão judicial ajuda, mas não temos o objetivo de cortar o salário dos servidores”, afirma. Ele diz que o momento é de negociação e acredita que o sindicato entenderá que esse é o momento de conversar e encerrar a greve, dando acesso a esse serviço “mesmo com toda precariedade que existe”.

“Quero tranquilizar todos os empregados do metrô, assim como das demais empresas, que o nosso processo de privatização vai preservar todos os empregos. Aqueles que quiserem continuar como empregados do metrô, nós vamos transferir para outras áreas do governo, assim como fizemos com o DFTrans, mesma coisa vai acontecer na CEB”, afirma.

Eles não estão na situação que estão fazendo nada de ilegal. todos os trabalhadores ganham o que estão ganhando dentro da legalidade, o erro foi dos governos que não souberam administrar a empresa e os colocaram numa situação de pré-falência. Nosso compromisso é trazer um bom serviço em todas as áreas”, finaliza.


Você pode gostar
Publicidade