fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

GDF tem um ano para disponibilizar aplicativo que informe horário dos ônibus

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Jéssica Antunes
[email protected]

Os brasilienses podem ter o transporte público do Distrito Federal na palma da mão em um ano. Isso porque o Governo de Brasília tem até 27 de dezembro de 2017 para lançar um aplicativo que informe, em tempo real, a situação das linhas de ônibus aos 600 mil passageiros. Por ele também será possível, aos órgãos controladores, monitorar e deliberar soluções para problemas identificados. A população espera facilidades, mas desconfia da implementação.

A lei que estabelece a norma foi publicada no Diário Oficial do DF na terça-feira passada, mas, segundo o secretário de Mobilidade Fábio Ney Damasceno, o projeto está encaminhado e estruturado. “O sistema estava previsto pelo Circula Brasília, que tem várias tecnologias a serem aplicadas, como wi-fi em todos os ônibus, o bilhete único e o GPS, que permite o sistema do aplicativo”, explica.

A ferramenta deve informar  dados como localização, itinerário, atrasos e acessibilidade.

A ferramenta, incluindo aplicativos para celular e tablets, deve informar de forma gratuita localização, itinerário detalhado, atrasos, acessibilidade do veículo, previsão de horário em cada parada da linha, entre outros dados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Saiba mais

  • Pelo menos uma empresa, a viação Marechal, já disponibiliza wi-fi gratuito nos ônibus para os passageiros. A rede é aberta e não necessita de senha nos 461 veículos. Essa bacia do sistema de transporte público (número 4) atende parte de Taguatinga, Ceilândia, Guará, Águas Claras e parte do Park Way.
  • Em maio, o governador Rodrigo Rollemberg anunciou um pacote com 80 ações para melhorar o transporte no DF, batizado de Circula Brasília. O Programa de Mobilidade Urbana inclui a expansão do metrô e do Expresso Sul, o veículo leve sobre trilhos (VLT), a construção e reforma de terminais rodoviários, além da estruturação da rede cicloviária e de calçadas.

O secretário Fábio Ney Damasceno garante que o aplicativo será lançado em 2017. “Por enquanto, não temos previsão de custos, mas será próximo de zero. Temos apenas que desenvolver o software”, esclarece. Quando pronto, deve haver uma campanha educativa para incentivar o uso. “É preciso criar o hábito. Tenho experiências disso em outras cidades e aposto que será uma das ferramentas mais usadas pelos brasilienses”, espera.

Opção atual

Atualmente, passageiros têm ferramentas on-line – não oficiais – para descobrir o melhor trajeto e monitorar a chegada dos veículos. Uma delas é o aplicativo Moovit, usado também em outras capitais, que fornece informações das empresas e de usuários para formar o banco de dados. A Marechal e a Piracicabana oferecem dados em tempo real via GPS. Para as demais, são utilizados horários previstos pelo DFTrans.

Além de avisar quando o ônibus está chegando, o app permite descobrir o caminho mais rápido, se há necessidade de integração e o tempo de viagem. É possível emitir alertas, como mudanças repentinas de linhas, paradas inesperadas, acidentes ou trecho em obras.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Nunca passa no horário”

Saber exatamente a hora que o ônibus vai passar no ponto pode melhorar a rotina do carpinteiro Daniel Felipe, 35 anos, morador de Sobradinho II. “Nunca passa no mesmo horário. Dizem que o coletivo circula em intervalos de 30 minutos, mas sempre tenho que esperar mais”, afirma o passageiro frequente.

Ele diz que baixaria o aplicativo para acompanhar, mas é desconfiado dos resultados: “Se funcionar, é bom, mas tem que ver na prática. Não confio antes disso”.

Também é com desconfiança que o recepcionista Adilson Linhares, 42 anos, recebe a notícia do prometido aplicativo. “Já vi em outros lugares. Funcionar, funciona. Tem que ver se aqui vai sair do papel”, afirma.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para ele, nessa época do ano, quando se diminui o número de ônibus circulando pela cidade, seria essencial uma ferramenta que mostrasse horários claros: “É uma dificuldade grande, não sei bem o que fazer. Tem que ficar esperando até passar”.

Experiência

Estudante, Daniel Schmidt, de 24 anos, depende da previsão aproximada oferecida pelo Moovit. Ele tem o aplicativo instalado no celular, mas não confia tanto. “Tem uma taxa de falha de uns 10, 15 minutos de atraso”, conta.

Para ele, que mora em Planaltina, mas estuda e trabalha na Asa Norte, a implementação de um aplicativo oficial pode facilitar a vida de quem depende do transporte público. “Deve ter mais regularidade e controle das linhas”, opina.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade