Siga o Jornal de Brasília

Cidades

GDF quer ampliar acesso da população ao saneamento básico

DF quer ampliar acesso da população a esses serviços, aumentar tratamento da água e melhorar recuperação de resíduos recicláveis

Publicado

em

Publicidade

Aline Rocha
redacao@grupojbr.com

O governo do Distrito Federal (GDF) estabeleceu quatro principais metas para os próximos anos, descritas no Eixo Meio Ambiente do Plano Estratégico do DF, para melhorar os índices de saneamento básico. O DF já é o terceiro colocado no ranking nacional de atendimento urbano de esgoto.

A expansão urbana e o crescimento populacional no DF causaram direto impacto no saneamento básico da região, com poços artesianos irregulares, ligações de água e esgoto clandestinas, vazamentos na rede de distribuição, problemas com fossas negras e deposição inadequada de resíduos sólidos domésticos.

Para que seja feita a reversão desse problema, o GDF está trabalhando em ações conjuntas com a Secretaria de Meio Ambiente (Sema), Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) e Secretaria de Obras.

Publicidade

Um dos objetivos é garantir o saneamento sustentável na capital. Atualmente, apenas 3% dos resíduos sólidos coletados são destinados à reciclagem. Isso faz com que o nível de deposição de resíduos com valor econômico em aterros sanitários seja alto. Para que o valor diminua, o GDF vai ampliar de 89% para 92% o acesso da população ao esgotamento sanitário adequado, com coleta e tratamento; incrementar em 30% a capacidade instalada de tratamento de água; reduzir em 30% os pontos críticos de alagamento, combinado ao incremento da taxa de recuperação de resíduos sólidos, com o apoio da Secretaria de Meio Ambiente.

A secretaria vem elaborando campanhas de separação de resíduos orgânicos para consolidar a coleta seletiva, além de prever a implantação do Projeto Citinova – Planejamento Integrado e Tecnologias Inovadoras para Cidades Sustentáveis. Em parceria com a Organização das Nações Unidas (ONU), serão elaborados diagnósticos dos níveis de contaminação da área e o indicativo das tecnologias adequadas para a remediação do antigo lixão.

De acordo com Jair Tannus, o subsecretário de recursos hídricos e de resíduos sólidos da Secretaria do Meio Ambiente, os serviços deverão ter início em agosto de 2019. “Estas atividades fazem parte de um projeto maior denominado Promovendo Cidades Sustentáveis no Brasil, por meio de planejamento urbano integrado e do investimento em tecnologias inovadoras. A previsão de contratação dos serviços terá duração de um ano”, explica.

Serão promovidas atividades de enfrentamento aos passivos da Lixão da Estrutural, elaborando novos contratos para construção de centrais de triagem e reciclagem e uma central de comercialização que pode gerar cerca de 750 postos de trabalho para catadores de materiais recicláveis.

Saneamento básico

Além dos trabalhos com resíduos sólidos, água e esgoto também são foco para o governo. A Caesb está trabalhando nas ações de otimização dos Sistemas de Água, principalmente as Elevatórias de Água, já que são as maiores consumidoras de energia. Além disso, melhorias nos Sistemas de Esgoto, como nas Elevatórias e Estações de Tratamento, por meio de aproveitamento de energia de descarga hidráulica de unidades operacionais e projetos de utilização de energia a partir do Biogás da ETEs.

Diversas obras e empreendimentos na questão hidráulica também estão nos planos da empresa, como o sistema produtor de água do Corumbá e a implantação do Sistema de Esgotamento Sanitário nas regiões do Setor de Mansões Park Way, Colônia Agrícola Águas Claras, Vila IAPI e Colônia Agrícola Bernardo Sayão no Park Way.

A Caesb promete, também, ampliar o sistema do Setor de Clubes Sul e Lago Sul, bem como promover as obras de implantação do sistema de esgotamento sanitário da 2ª Etapa da Região do Grande Colorado, no Setor Habitacional Contagem I. A empresa pretende, também, atuar na execução de serviços de implantação do Sistema de Esgotamento Sanitário no Setor Habitacional Sol Nascente.

“Nos sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário, o foco é centrado na expansão, manutenção e melhorias dos sistemas existentes bem como, na qualidade dos serviços prestados, objetivando universalizar os serviços”, afirma Luiza Carneiro Brasil, superintendente de Planejamento e Modernização da Caesb.

Chuvas

Para reduzir os pontos críticos de alagamento no DF, a Novacap tem investido na manutenção dos dispositivos e redes de drenagem pluvial. Ela consiste na limpeza, desobstrução, reparos, substituição das grelhas e tampões das bocas de lobo. Há editais em elaboração que visam a contratação da continuidade desse serviço e contratos em andamento, também com o objetivo de realizar a as manutenções necessárias visando minimizar o problema. Parceria com outros órgãos, como o projeto “Drenar-DF”, atuante em áreas críticas do Plano Piloto e de Taguatinga, estão na atuação do órgão.

 

Com informações de Agência Brasília


Você pode gostar
Publicidade