fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Férias: viajar requer cuidado redobrado

Saiba quais os riscos e como se manter prevenido nas viagens esse verão. Especialista dá dicas

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Mayra Dias
[email protected]

Mesmo com a segunda onda da pandemia, muitos brasilienses não vão deixar de aproveitar as férias em outro estado. Só no mês de dezembro, o Aeroporto de Brasília recuperou quase 70% do seu movimento aéreo pré-covid, sem contar com quem optou, ou vai optar, pelas viagens de carro. Para quem não vai deixar de curtir o verão, o infectologista Alexandre Barbosa dá dicas para se manter prevenido.

“É fato que viajar agora é uma exposição. A aglomeração é inerente a esses ambientes. Não está havendo distanciamento entre as cadeiras nos voos comerciais. As pessoas ficam muito próximas e, eventualmente, alguma pode estar contaminada”, explica o chefe de infectologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Dados divulgados pelo próprio terminal brasiliense mostraram que, só na segunda quinzena deste mês, estavam previstos 4.063 voos. Para atender a demanda, foram incluídos 266 voos extras na malha aérea da capital federal.

Circulação aumentou

Ainda sem o levantamento fechado, no início do mês, o aeroporto estava prevendo a circulação de 565 mil passageiros nesse período. Foram os dias 22 e 23 e 29 e 30, vésperas de Natal e Ano Novo, os dias com maior fluxo. Júlia Rafaela, de 22 anos, foi uma das usuários que passaram pelo local em dezembro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Viajei no comecinho do mês e o movimento já estava bem intenso, bastante gente aglomerada nas filas. Confesso que fiquei um pouco aflita, não tem como”, conta a estudante que foi para o Ceará com a mãe e a irmã.

No mês de novembro, a Inframerica registrou o fluxo de 850.960 mil passageiros e o equivalente a 7.557 voos. Os dados mostram que, em questão de usuários, o aumento foi 6,7% sobre outubro, o que representa um aumento desde abril, quando a movimentação foi de apenas 5% do previsto para a época.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para Alexandre Barbosa, optar pelos voos, no momento, não é o mais adequado. “Por mais que seja mais confortável, o melhor, nessa pandemia, é viajar de carro, se possível”, avalia o especialista.
Levando em consideração que , apesar de mais longa.

Lugares isolados

Além do transporte, o profissional compartilha outras dicas para quem vai curtir as férias fora do quadradinho. “Brasileiro gosta de lugar que bomba, mas esse não é o momento de procurar esses locais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O melhor, se você quer viajar, é escolher destinos pouco procurados, mais desertos, sem aglomerações”, explica Alexandre. “Ilhas desertas, uma casa em uma montanha, por exemplo”, completa o profissional.

A escolha de um destino pouco conhecido foi a estratégia utilizada por Júlia e sua família. A jovem conta ter ficado uma semana em uma praia afastada onde, além delas, só tinha o mar. “Parecia que tínhamos alugado a praia só pra gente. Foi ótimo, não tivemos contato com mais ninguém”, relembra.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
>

Além de fugir das aglomerações, a família de Júlia também foi sensata ao escolher o local onde ficaram hospedadas. “Alugamos uma casa. Não ficamos em hotel para evitar contato com pessoas ou superfícies que poderiam estar contaminadas. Nos isolamos mesmo”, relata a moradora de Planaltina DF. Na avaliação de Alexandre, se for possível, essa é a escolha mais recomendada aos viajantes. “Alugar uma casa é uma opção mais segura, pois você não terá contato com outros hóspedes ou funcionários igual teria em um hotel, por exemplo”, explica.

Higiene não sai de férias

O último lembrete do infectologista é manter os hábitos de higiene mesmo estando de férias.
Os mesos cuidados, como manter as mãos limpas com álcool em gel ou água e sabão, quando possível, não devem ser hábitos abandonados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Não se pode também esquecer de usar a máscara quando for se comunicar ou passar perto de outras pessoas. Ela vai ajudar, mesmo não sendo 100% efetiva na prevenção contra o vírus”, destaca Alexandre.

Seguindo esses princípios básicos, o chefe de infectologia da Unesp afirma que é possível sim, fazer uma viagem menos arriscada e aproveitar as férias de janeiro dentro do possível.

“É claro que não tem como fazer uma viagem 100% segura, mas acredito que as escolhas que fizemos, com exceção do aeroporto, contribuíram para que tudo fosse mais tranquilo e nossa viagem fosse boa e sem consequências”, finaliza Júlia Rafaela.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade