fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Família e amigos dão adeus a morador assassinado

Morto com uma facada no abdômen, Igor Viana deixou uma filha de 9 anos

Pedro Marra

Publicado

em

PUBLICIDADE

Cerca de 60 pessoas se despediram de Igor Viana, 29 anos, na manhã de ontem no Cemitério Campo da Esperança da Asa Sul. Na capela 9, familiares e amigos prestaram homenagens com palmas e orações. O percurso até o túmulo foi marcado pelo silêncio; o caixão foi coberto com uma bandeira do Flamengo. O jovem foi morto com uma facada no abdômen na madrugada da última segunda (9), próximo a uma passarela na Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB), no sentido Riacho Fundo.

“Era um cara supertranquilo”, comentou o amigo Müller Alves, de 30 anos, que o conhece há 16 anos. “Estudamos juntos na 6ª série. Quando recebi a notícia, não conseguia acreditar.”
De acordo com o ex-colega de classe, Igor era uma pessoa cheia de talentos — e uma de suas habilidades era o futebol.
“Vivia jogando bola, ele era muito bom. Chegou a jogar no Brasiliense por um tempo, mas não sei por que a carreira não deslanchou”, disse. “É realmente uma fatalidade isso tudo”, finalizou.

Igor não tinha irmãos e deixa uma filha de 9 anos, que colocou uma rosa branca junto ao caixão do pai. Há um ano, a menina também perdeu o avô, pai de Igor.

Barbearia

Amiga de Igor desde os 8 anos, a enfermeira Viviane Galvão, de 37, conta que ele era dono de uma barbearia na região onde foi assassinado. Ela disse ter visto o rapaz pela última vez no sábado. “Eu o vi na rua pelo centro do Núcleo Bandeirante. Ele tinha tanto para viver. É lamentável”, desabafou.

Viviane também traçou um perfil de Igor. “Ele era um garoto da paz, muito tranquilo e trabalhador. Ele havia acabado de terminar o Ensino Médio. Tinha uma filha linda. Não era envolvido com nada errado — mas muito conhecido no Núcleo Bandeirante. Ele não era muito de sair. Fiquei sabendo que ele estava voltando da casa de uma namorada [perto da hora do crime]. Ele era muito caseiro”, disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na hora do crime, Igor chegou a receber os primeiros socorros pelo Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF), mas não resistiu: ele teve uma parada cardiorrespiratória e morreu no local.
O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) também atuou na ocorrência e foram utilizadas duas viaturas, 13 militares, além de um helicóptero.

As investigações seguem na 21ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Sul). Até o fechamento desta edição, de acordo com o delegado-chefe da unidade, Luiz Alexandre, a Polícia Civil do DF ainda não havia localizado o suspeito do crime.

Facas

Esta foi a terceira morte por esfaqueamento no Distrito Federal em menos de cinco dias. Só no mês de março, os crimes com arma branca, normalmente facas de cozinha, já vitimaram o professor Hebert Silva, 26 anos — esfaqueado após um assalto em uma parada no P Sul, em Taguatinga —, e Márcio Rocha, 28 — morto com uma facada no peito na plataforma superior da Rodoviária.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade