fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Em Brasília, a ordem é: fique em casa

Para reafirmar o seu compromisso com as medidas de isolamento social,Ibaneis Rocha, colocou um carro de som em frente ao Palácio do Buriti

Avatar

Publicado

em

Fotos: Lúcio Bernardo Jr/Agência Brasília
PUBLICIDADE

O Chefe da Casa Civil do governo do Distrito Federal, Valdetário Monteiro, assegurou que o combate à covid–19 na capital vai continuar sendo pautado “pela técnica científica”. Não está descartado, inclusive, como informou a secretaria de Saúde, a prorrogação do decreto que obriga o fechamento de estabelecimentos comerciais e escolas. O prazo para o final da quarentena é o dia 5 de abril, mas poderá ser prorrogado por pelo menos 15 dias.

Para reafirmar o seu compromisso com as medidas de isolamento social, o governador do DF, Ibaneis Rocha, colocou um carro de som em frente ao Palácio do Buriti, em que será passado um vídeo no qual o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, orienta a população a permanecer em casa, advertir que o coronavírus ataca o sistema de saúde e que não existe quarentena vertical. Com essa atitude Ibaneis deixa claro que é contrário a posição do presidente da República, Jair Bolsonaro, que defende a reabertura de todo o comércio e o isolamento vertical.

O Distrito Federal foi a primeira unidade da federação a tomar as medidas de isolamento social como forma de combate ao coronavírus. A saída do presidente Bolsonaro, no último domingo, do Palácio da Alvorada, indo ao Hospital da Forças Armadas e passando por diversas regiões administrativas da cidade, incentivando que as pessoas deixem o isolamento social e voltem ao trabalho, preocupou a equipe do governo local. Ibaneis e seus assessores defendem a permanência em casa como única maneira de impedir um aumento do número de pessoas infectadas e com isso um colapso no sistema de saúde.

Hoje o DF já tem mais de 300 casos confirmados de covid–19. Estes são monitorados pela Central de Controle do Coronavírus, criada especialmente para cuidar da pandemia no DF. O padrão utilizado é o mesmo adotado por Cingapura, um dos países que obtiveram maior êxito no combate à transmissão do vírus. A Central fica ao lado do gabinete do governador Ibaneis, que pode ter informações em tempo real do que está acontecendo. A estimativa dos técnicos em saúde do GDF é de que quase 240 mil pessoal serão contaminadas pelo coronavírus na cidade.

A sala de monitoramento acompanha a evolução da doença no mundo e as medidas tomadas pelos países. Esses dados servem para nortear as decisões do governador Ibaneis Rocha e de sua equipe.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Não adianta nada ter a estrutura de saúde, com uma quantidade enorme de pessoas doentes sem podermos atender”, explicou Valdetário Monteiro.

O Chefe da Casa Civil reiterou que todas a medidas de isolamento social tomadas até agora são na tentativa de manter a curva de crescimento achatada e evitar o estrangulamento do sistema. O maior número de casos no DF, de acordo com a Central de Controle, são Brasília, Lago Sul e Lago Norte. A Central afirmou que estes casos vieram importados, a maioria da Europa, Estados Unidos e Emirados Árabes. “O monitoramento vai permitir que a gente aos poucos vá decidindo pela liberação das atividades. Por meio do monitoramento vamos liberando a indústria, o comércio e mais na frente as escolas. Mas vamos fazer isso acompanhando os dados”, explicou o secretário.

Desta forma, o governo do GDF demonstra que na capital do país não será tomada nenhuma medida sem o devido respaldo científico.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade