Siga o Jornal de Brasília

Cidades

DF tem menor índice de mortes violentas

Atlas da Violência divulgado pelo Ipea mostra que houve uma redução de 44,1% no número de homicídios nos últimos cinco anos

Publicado

em

Vitor Mendonça
redacao@grupojbr.com

Segundo o Atlas da Violência de 2019, divulgado ontem pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), com dados referentes ao ano de 2017, o Distrito Federal detém a menor taxa de violência da região Centro-Oeste. Os casos de homicídio são de 20,5 a cada 100 mil habitantes. Brasília, desde 2012, mantém o decréscimo dos números. Ao longo desses cinco anos, houve uma redução de 44,1% dos índices.

A pesquisa analisou mais de 300 municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes e tem parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O mais violento dentro do parâmetro do estudo é Maracanaú, no Ceará. Em seguida estão Altamira (Pará) e São Gonçalo do Amarante (Rio Grande do Norte).

Das 20 regiões mais violentas, 18 estão em estados do Norte e do Nordeste. De acordo com o IPEA, entre os motivos para o aumento da violência estão conflitos do narcotráfico, tráfico de drogas e o mercado ilegal de madeira e mogno nas áreas rurais. Ali também se concentram os municípios e cidades de menores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do país. A única baixa no índice de homicídios das regiões foi no estado da Paraíba. De 2016 para 2017, os crimes diminuíram de 44,6 para 38,9 a cada 100 mil habitantes.

No entanto, também foram identificadas 15 unidades federativas com redução do índice de criminalidade entre 2016 e 2017. As cidades menos violentas são Jaú, Indaiatuba e Valinhos (São Paulo). Dos 20 municípios menos violentos, 14 são paulistas.

A pesquisa do Atlas da Violência acontece desde 1980 e analisa acidentes de transporte, homicídios e suicídios por armas de fogo, estupros, homicídios, intervenção legal (mortes por atividades policiais), juventude perdida (homicídios entre 15 e 29 anos), mortes violentas, mortes violentas por causa indeterminada, suicídio e violência por raça e gênero.


Você pode gostar
Publicidade