fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

DF lidera ranking de inserção de pessoas com deficiência no mercado de trabalho

De janeiro a setembro deste ano, 25% das vagas para o público foram preenchidas, no esforço entre secretarias do Trabalho e da Pessoa com Deficiência

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Em meio a pandemia de Covid-19 e as consequências que ela trouxe para todos os setores da sociedade, o Distrito Federal atingiu uma importante marca no que diz respeito ao mercado de trabalho para pessoas com necessidades especiais: entre os meses de janeiro e setembro deste ano, 2.326 vagas foram reservadas para este público em específico, e 604 foram preenchidas, o que corresponde a 25,9% do total.

“Para nossa grata surpresa, nós atingimos um patamar com criação de mais de duas mil vagas nesse período e com a inserção acima dos índices nacionais: nós atingimos 25%, enquanto a média nacional é de 12%. Muitas empresas dentro do DF estão criando oportunidades para essas pessoas, às quais somos muito gratos”, comemora o secretário executivo da Secretaria de Trabalho (Setrab), Ivan Alves dos Santos.

O resultado expressivo é fruto de uma união entre a Setrab e a Secretaria da Pessoa com Deficiência (SEPD), que combinaram esforços para potencializar vagas para este público em específico. A Agência do Trabalhador da Estação 112 Sul do metrô é a unidade especializada em acolher pessoas com deficiência, por ter 100% de acessibilidade e também por contar com a Central de Interpretação de Libras, que auxilia os deficientes auditivos na tradução e interpretação dos atendimentos.

Um dos beneficiados com esta integração de esforços foi Daniel Avelino dos Santos, de 19 anos, morador do Varjão. Ele é deficiente auditivo desde os seis meses de idade e conseguiu, via Agência do Trabalhador da 112 Sul, ser chamado para duas vagas de emprego como repositor de mercadorias. “Aqui é mais fácil, porque tem o apoio dos intérpretes para procurar as empresas e aí pegar a carta de encaminhamento”, conta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No Brasil, o artigo 93 da Lei nº 8.213/91 estabelece que empresas com 100 ou mais empregados devem reservar uma parcela de seus cargos, entre 2% e 5% (a depender do tamanho do quadro de funcionários), para pessoas com deficiência.

Acessibilidade, parceria e resultados

A secretária de Pessoa com Deficiência, Rosinha do Adefal, explica quais são os procedimentos para esta política pública de geração de emprego: “Junto à Setrab, estamos fazendo ações mais específicas, através da Agência do Trabalhador, na captação de vagas e preparação das pessoas com deficiência para estarem mais aptas, e também uma orientação às empresas sobre aquilo que elas precisam investir em tecnologias, melhorias físicas, cursos de libras, entre outras coisas”.

O fator acessibilidade também é algo importante e que tem tido retorno na Agência do Trabalhador da 112 Sul, que se tornou referência no atendimento para pessoas com deficiência (PCD). “A Agência do Trabalhador que mais encaminha (PCD) para o mercado de trabalho é a nossa. Hoje essas pessoas já entenderam que, quando vem aqui, conseguem resolver várias coisas ao mesmo tempo”, conta Patrícia Ribeiro, gerente da unidade. Ela também ressalta a importância de ter a Central de Interpretação de Libras como parceira: “É fundamental. O nosso trabalho não seria possível sem eles, porque dependemos um do outro”.

“Isso vem a mostrar, inclusive para as outras unidades da federação, que a aplicação de algumas técnicas de atendimento a esse público podem render frutos lá na frente com o preenchimento das vagas”, finaliza o secretário executivo, Ivan Alves dos Santos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As informações são da Agência Brasília




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade