Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Defesa Civil libera área interditada da Rodoviária, mas só para pedestres

Rafaella Panceri
[email protected]

Pedestres já podem transitar nas áreas interditadas pela Defesa Civil na Rodoviária do Plano Piloto a partir das 17h de hoje, de acordo com a Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap). A Defesa Civil iniciou a operação de retirada dos tapumes nesta tarde.

Além de descartar qualquer possibilidade de desabamento ou necessidade de escorar a estrutura, a companhia informou que a empresa Vivo, responsável pelos danos aos cabos de protensão em pilares do terminal, terá sete dias para apresentar um projeto de recuperação. O rompimento dos cabos ocorreu na última quarta-feira (11) e a operação foi feita sem autorização dos órgãos competentes.

Parte da Rodoviária ficou interditada enquanto a Novacap e a Defesa Civil avaliavam a estrutura. Térreo foi liberado, mas a plataforma superior continua isolada para evitar que mais cabos se rompam. Foto: Kléber Lima/Jornal de Brasília.

BRT apenas no térreo
Apesar de a circulação de pedestres ter sido liberada no térreo, a passagem do BRT continuará proibida na plataforma superior da rodoviária. O estacionamento próximo ao local onde os cabos de protensão foram rompidos continuará interditado.

A medida, segundo o presidente da Novacap, Júlio Menegotto, evita que os danos sejam ainda maiores. “Os cabos sustentam a estrutura por meio de tensão. Cerca de dez, em um total de 60, foram rompidos. Está dentro da margem de segurança, mas precisamos evitar cargas sobre esse local”, explica.

Não há prazo estimado para a liberação total da Rodoviária aos usuários. Em sete dias, a empresa Vivo deverá apresentar o projeto de recuperação. De acordo com a Novacap, as obras de restauração começarão “de imediato”.

Júlio Menegotto, Presidente da Novacap, conta que danos à maquina pública são recorrentes por parte de empresas concessionárias de telefonia. Foto: Rayra Paiva Franco/Jornal de Brasília.

Danos recorrentes
O presidente da Novacap, Júlio Menegotto, relembrou, em coletiva de imprensa realizada na sede da companhia nesta quinta-feira (11), que os danos causados a equipamentos públicos têm sido recorrentes no DF. Ele exemplificou que as concessionárias de telefonia “quebram” o asfalto sem autorização prévia e fazem remendos no pavimento.

“Por conta da margem de segurança prevista no projeto da Rodoviária, não houve desabamento. Isso serve de exemplo para todas as concessionárias. É necessário solicitar à Novacap uma autorização para fazer qualquer alteração na estrutura pública. Um projeto precisa ser aprovado”, frisa, e pondera que a empresa Vivo “vem colaborando com o governo do DF e deve apresentar o projeto de restauração dentro do prazo.”

Versão oficial
A Vivo informou ao JBr. que “está tomando todas as medidas para apurar o ocorrido na Rodoviária e, assim, prestar os esclarecimentos cabíveis aos órgãos responsáveis”, e que está “atuando com a rapidez e a agilidade que o tema exige”.

A empresa reiterou, por meio de nota, que tem como “prática e princípios atuar em conformidade com a legislação vigente” e lamentou os transtornos causados à população.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
  • CHARGE DO DIA