fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Com salários atrasados, funcionários do ICDF ameaçam fazer paralisação

Além de não terem recebido os proventos referentes ao mês de setembro, funcionários estão há três meses sem ticket alimentação. Deputado prometeu à categoria encontro com governador

Willian Matos

Publicado

em

Foto: Reprodução/Instagram
PUBLICIDADE

Na manhã desta quarta-feira (14), funcionários do Instituto de Cardiologia do Distrito Federal (ICDF) fizeram uma assembleia extraordinária em frente ao Hospital das Forças Armadas (HFA) para discutir sobre o atraso dos salários dos trabalhadores da unidade. Amparados pelo Sindicato dos Auxiliares e Técnicos de Enfermagem (Sindate-DF), a categoria ameaça fazer paralisação se não houver acordo.

Funcionários afirmam que houve atraso no pagamento do salário referente ao mês de setembro. Além disso, o ticket alimentação não é pago há três meses. O grupo também alerta para a falta de insumos. Cartazes com dizeres “Como trabalhar sem EPIs?!” e “Trabalhar de graça não dá” foram vistos na manifestação.

O deputado distrital Jorge Vianna (Podemos) esteve presente na assembleia. Vianna prometeu aos funcionários que vai se reunir com o governador Ibaneis Rocha ao meio-dia desta quarta (14) para discutir a quitação dos salários. O parlamentar também pretende abordar a questão do plano de carreira para os trabalhadores.

“Se até amanhã meia-noite esse pagamento não entrar, aí eu sugiro que vocês façam [paralisação]. De fato, os trabalhadores têm que fazer quando não recebem pagamento.”

Membros do Sindate recomendam que os funcionários façam pressão junto ao Executivo local. “Não adianta vocês acharem que a Justiça vai vir e fazer pagarem os salários de vocês, porque não vai. Isso vai ser resolvido com pressão”, afirma uma membro do órgão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O ICDF conta aos funcionários que tem atrasado os benefícios porque a Secretaria de Saúde não estaria fazendo os repasses financeiros necessários, visto que o instituto é uma empresa privada que presta serviços ao GDF. A SES foi contatada pelo Jornal de Brasília, que aguarda posicionamento.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade