fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

CLDF repercute privatização da CEB

Diversos parlamentares trataram do assunto, todos com ponderações críticas ao processo de privatização da CEB

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Na última segunda-feira (28), a Companhia Energética de Brasília (CEB) anunciou o preço mínimo de venda a comapanhia, em R$ 1,4 bilhão. A privatização da empresa pública repercutiu entre os deputados distritais na sessão remota da Câmara Legislativa desta terça-feira (29).

O primeiro a tratar do assunto em plenário foi o deputado Delmasso (Republicanos), que parabenizou a CEB por ter divulgado o valor da privatização: “Esse anúncio fez com que, em menos de 24h, as ações da CEB no mercado aumentassem em 30%. Acredito que o governo conseguirá vender por mais de R$ 2 bilhões”. O distrital afirmou, ainda, que o governador Ibaneis Rocha assumiu o compromisso de que nenhum empregado da CEB será demitido: “Eles serão recolocados na CEB Serviços, que será a grande eletricista do governo, com a missão de colocar, no DF, 100% de iluminação de LED, mais eficiente e barata”. Para finalizar, Delmasso destacou que, com a privatização, o GDF vai deixar de aportar cerca de R$ 100 milhões por ano para cobrir eventuais rombos da estatal.

Na sequência, diversos parlamentares trataram do assunto, todos com ponderações críticas ao processo de privatização da CEB. A deputada Arlete Sampaio (PT), contrária à venda da empresa pública, alertou para o caso de Goiás, onde a Companhia Energética de Goiás (CELG) foi entregue à iniciativa privada: “Lá, os serviços pioraram, e os preços aumentaram enormemente”.

Na mesma linha, o deputado Fábio Felix (PSOL) ressaltou que a CEB é uma empresa “estratégica e fundamental para nossa cidade” e que, em Goiás, a tarifa de luz triplicou após a privatização da companhia energética estatal. “Os governos passam, mas nosso patrimônio público fica. E tenho preocupação muito grande, especialmente pela forma como este governo tem demonstrado fazer negócios: sem transparência e sem discussão pública”, completou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A deputada Júlia Lucy (Novo) também se manifestou sobre o assunto na sessão virtual: “O posicionamento do partido Novo é muito claro: caso a privatização não seja feita com muita transparência, somos contra. Nosso apoio é pela transparência e pelo melhor para o povo. Não existe apoio incondicional para nenhuma proposta”.

Por fim, o deputado Leandro Grass (Rede) lamentou o descumprimento de promessa de campanha por parte do chefe do Buriti: “O problema é o candidato dizer para os funcionários da empresa pública que vai fortalecer a entidade e, depois das eleições, fazer tudo ao contrário. Está dando exemplo de estelionato eleitoral, contrariando promessas de campanha”.

Com informações da CLDF




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade