fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Ceilândia comemora os 49 anos

Amanhã os ceilandenses poderão celebrar o aniversário da cidade, marcada pela cultura nordestina

Pedro Marra

Publicado

em

Ceilândia
PUBLICIDADE

Em homenagem aos 49 anos de história de Ceilândia, amanhã (19) a partir das 18h, os moradores poderão desfrutar de uma live (transmissão ao vivo) em comemoração ao aniversário da cidade da Casa do Cantador, da Caixa D´água e da variedade de estilos musicais como o rap, samba e forró. O evento virtual vai contar com sete apresentações musicais e três espetáculos de dança, todos transmitidos ao vivo pelo canal do YouTube do Instituto de Produção Socioeducativo e Cultural Brasileiro (IPCB) para os ceilandenses poderem desfrutar a festa em casa, em respeito ao isolamento social.

Ceilândia fez aniversário em 27 de março — data de fundação da região —, o que motivou o adiamento das celebrações presenciais devido à pandemia da covid-19. Mas amanhã os ceilandenses poderão celebrar o aniversário da cidade, marcada pela cultura nordestina.

Cultura essa que envolve a culinária local, bastante presente na mesa dos moradores. A estudante de Contabilidade, Anna Cecília, 23 anos, promete curtir a live com uma cerveja e caldo de mocotó, seu prato preferido da região nordestina. “Não sei preparar, mas posso pedir pelos aplicativos. Vou pedir amanhã para comemorar”, vibra.

Ela se diz fã de hip hop, e vai querer assistir a apresentação da rapper Rebeca Realleza, que irá cantar às 19h40. “Essa live vai ser boa para mostrar às pessoas que é possível comemorar em casa. Entretanto, sabemos do grande número de casos de covid-19, pois grande parte dos moradores da Ceilândia nunca conseguiram ficar de home office e precisaram sair para trabalhar”, analisa a jovem.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Anna acredita que é essencial a representatividade de artistas locais na programação do evento. “Nós, moradores, sabemos que existem muitas pessoas talentosas aqui. Infelizmente, o que sai nas notícias só reforça uma cultura criminal ceilandense que não é real. É importante um evento como esse para mostrar aos nossos jovens que não somos só o que passam. Temos muito a oferecer”, relata.

Nascido e criado em Ceilândia, o músico e produtor cultural Remy Lima, 45 anos, irá assistir a live em casa com a esposa e três filhos. “A nossa intenção é prestigiar. Achei fantástica a ideia de ter os representantes da cidade. Pretendo assistir em casa, reunir a família e prestigiar os meus amigos. Ceilândia é uma cidade que transpira cultura. Em todos os vertentes, reggae, rap ou forró, é um caldeirão cultural. O pessoal da cultura foi o que mais sofreu. Fomos os primeiros a pararem, e com certeza seremos os últimos a voltarem totalmente. Mas eu brinco com a molecada que os nossos heróis estão na periferia”, opina.

Ele deixou uma orientação para os demais moradores da cidade, a mais infectada pela pandemia no DF. “Recomendo às pessoas usarem máscara e ficarem ao máximo em casa. Infelizmente, a gente vive um momento complicado, de muita informação boa e também de muita desinformação. Tem gente que acha que a pandemia acabou, mas ainda não. Em Ceilândia, a galera não leva muito a sério”, critica.

A festa on-line deve ter em torno de 20 mil views pelo canal no Youtube do Instituto de Produção Socioeducativo e Cultural Brasileiro. “Ceilândia é o polo cultural e artístico mais importante do DF, inclusive na arte da sobrevivência, de fato Ceilândia foi ferida profundamente pelo novo coronavírus e as marcas serão permanentes. Mais que uma comemoração, faremos uma homenagem, dos filhos da cidade, às famílias vitimadas pela covid-19. Nossa reflexão enquanto idealizadores da ação, é contribuir para elevar a autoestima e o sentimento de pertencimento, por isso a programação passa exclusivamente por artistas da cidade para o mundo”, declara Jorge Luiz, produtor executivo do IPCB.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Lugar produtor de vários artistas”

A live será apresentada por Joanna Alves, e contará ao todo com 11 apresentações de grupos artísticos da própria cidade, sendo sete apresentações musicais: Murica, Realleza, Nenzin, Marcelo Café, Chico de Assis e João Santana, Viella 17 e DJ Kashu. Além de três espetáculos de dança: Pegada Black, Quadrilha Sanfona Lascada e DF Zulu.

“A importância desse evento, mesmo sendo virtual, é grande. Ele não perde a importância. Esse é o primeiro aniversário de Ceilândia que está privilegiando 100% artistas da região. É a maior cidade de Brasília, (com quase 500 mil habitantes, segundo a Codeplan) e não privilegiava os artistas. Além de ser um lugar que define eleições em Brasília, é um lugar produtor de vários artistas da cidade, que saíram para fazer trabalhos em nível nacional”, afirma Marcelo Café, sambista que irá se apresentar às 18h30.

Ele, que tem 20 anos de carreira, solta a voz desde os 7 em igrejas evangélicas da região. Café irá cantar sambas como Coração de malandro, música de seu álbum Depois do samba, e ainda irá apresentar uma música que fez em homenagem à cidade: Ceilândia, a Uber, quando diz “Ceilândia é mulher, e como toda mulher. Se reinventa na dor. E por isso eu a canto e a levo no peito por onde eu for”, diz uma parte da letra

“É uma música que fiz há três anos para Ceilândia. Eu iria cantar em no aniversário presencial, em março. Mas já a cantei no festival Canta Ceilândia, em 2017. Desde então, não consegui mais executá-la. Mas agora vou poder divulgá-la. E fazer o aniversario de forma remota é uma forma de falar para as pessoas que não está tudo bem, mas que tudo dentro da segurança e obedecendo o distanciamento social. É continuar com o mínimo de interação, mesmo que seja de forma remota. Nós, artistas, temos que dar exemplo e obedecer os protocolos sanitários”, declara o cantor.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O projeto foi criado após assinatura do termo de fomento junto à Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF (Secec), regido pelo Regulatório das Organizações da Sociedade Civil (MROSC), a partir de recursos de emenda parlamentar.

Serviço

  • Aniversário de Ceilândia – 49 anos
  • Quando: 19 de setembro, sábado;
  • Onde: canal do YouTube do IPCB-Instituto de Produção Socioeducativo e Cultural Brasileiro
  • Horário: a partir das 18h
  • Classificação indicativa: livre



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade