fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Casos de HIV aumentam no DF no últimos dois anos

Segundo levantamento da Secretaria de Saúde, os diagnósticos de infecções pelo vírus cresceram entre 2018 e 2019 no Distrito Federal

Pedro Marra

Publicado

em

Foto: Arquivo pessoal
PUBLICIDADE

O Distrito Federal registrou aumento nos casos de infecções pelo vírus HIV em 2019. Levantamento da Secretaria de Saúde (SES-DF) mostra que foram 752 notificações, enquanto em 2018 foram 701. Dos casos diagnosticados com Aids, também houve aumento, mas em quantidade menos expressiva. Nos últimos dois anos do comparativo, a doença causada pelo vírus infectou 294 pessoas no ano passado, oito a mais que no ano anterior.

A SES-DF alerta para a importância da prevenção e do diagnóstico precoce para controle da infecção e o não desenvolvimento da doença. Para conscientizar a população, começou ontem a campanha Dezembro Vermelho com várias ações pelo Distrito Federal.

Um caso exemplar de busca pela tratamento precoce é o do cientista político, Diego Callisto, 30 anos. Ele trabalha no Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis do Ministério da Saúde. Além de tratar do tema no ambiente de trabalho, ele também possui HIV. Aos 18 anos, foi diagnosticado com o vírus após uma relação sexual com o antigo parceiro, que faleceu de Aids.

“Quando descobri, passou um mundo de coisas pela minha cabeça e fiquei muito inseguro. Naquela época, a informação circulava bem menos, e não tínhamos as redes sociais fortemente ativas como hoje para nos informarem também. Acabei pesquisando muito na internet, em blogs e sites. Consumi muita informação equivocada. Quando descobri, me senti muito desamparado. Escutei vagamente sobre HIV no ensino médio”, relata Diego.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em tratamento do vírus há mais de uma década, o cientista político reconhece a relevância de procurar conhecimento sobre o assunto em fontes responsáveis pelo tema. “À medida que fui filtrando informação, buscando com equipes do serviço de saúde, por exemplo, tive orientações melhores e vi que o tratamento era o melhor caminho. Iniciei de forma precoce, restabeleci o meu sistema imunológico e minha carga viral ficou indetectável”, comemora.

Perguntado sobre o apoio emocional recebido de pessoas próximas, Diego afirma que o principal foi ter o suporte médico. “A gente não conta sobre o diagnóstico quando sabe, mas quem mais me apoiou foi o serviço de saúde e ONGs nesse primeiro momento. Num segundo momento, quando fui me abrindo, tendo informação adequada, minha família me acolheu. Eles ficaram muito assustados, mas foram se conscientizando”, conta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O cientista político do Ministério da Saúde deixa uma recomendação de como se tratar e buscar apoio profissional com base na própria experiência. “O Brasil avançou muito, e até recomenda a prevenção combinada. Temos a Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PrEP), medicamentos e outras tecnologias de prevenção. Mas na minha época, era mais recomendada a camisinha mesmo. Hoje, a todo momento me preocupo. Tenho uma relação com o meu parceiro sorodiferente (que não possui HIV), e ele faz a relação com a PrEP, mas também uso o preservativo para evitar a DSTs”, acrescenta.

“A principal mensagem é conhecer as estratégias de prevenção combinada disponíveis. É importante visitar os canais de informação, organizações confiáveis, sites de veículos livres de estigmas e discriminações. Conhecer o trabalho institucional das organizações, e das secretarias de saúde de estados e municípios”, conclui Diego.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mais de 4 mil casos de 2014 a 2019

De acordo com a Subsecretaria de Vigilância à Saúde (SVS), de 2014 a 2019, foram notificados 4.102 casos de infecção pelo HIV e 2.150 casos de aids. Os dados são do boletim epidemiológico divulgado ontem pela Secretaria de Saúde, quando começou a campanha Dezembro Vermelho em alusão ao mês de combate a Aids.

Em 2019, de acordo com o boletim, 92% das pessoas em tratamento com medicamentos antirretrovirais apresentaram carga viral indetectável. Ou seja, a situação pode indicar que, apesar do aumento da infecção pelo vírus HIV, a adesão ao tratamento também pode ter aumentado, o que reflete também na redução no número de casos de doentes com Aids.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
>

Os casos de Aids tiveram redução entre os anos de 2014 e 2018. Em 2019, porém, o aumento foi de 2,8%. Já os casos de HIV cresceram durante todos os anos do período citado anteriormente. A gerente de Vigilância de Infecções Sexualmente Transmissíveis, Beatriz Maciel Luz, destaca que as estratégias de prevenção adotadas pela rede pública de saúde podem ter refletido para que o aumento não fosse maior.

“Essas estratégias, como a oferta de testagem, por exemplo, fazem com que as pessoas que vivem com HIV sejam diagnosticadas precocemente iniciando o tratamento de forma oportuna”, afirma a gerente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Beatriz reforça que graças às medidas de prevenção e diagnóstico que a Secretaria de Saúde oferece, além do interesse da população em manter a vigilância da doença “essas pessoas estão aderindo ao tratamento e estão vivendo com a carga viral indetectável. Assim não desenvolvem a forma mais avançada da doença, que é a Aids”.

Situação epidemiológica por região

Entre os anos de 2014 e 2019, o Riacho Fundo I foi a Região Administrativa do DF que apresentou maior aumento nos casos de Aids e HIV. Eram 17,3 casos de Aids por 100 mil habitantes e, no passado, saltou para 30,1 caso por 100 mil habitantes, ou seja, um aumento de 74%. Em relação ao HIV, a infecção pelo vírus atingia, em 2014, 7,4 casos para cada 100 mil habitantes. Esse número cresceu 524%, passando em 2019 para 46,2 infecções para cada 100 mil habitantes.

O Setor de Indústria e Abastecimento (SIA), que não tinha casos registrados de infecções por HIV nos anos anteriores, notificou, em 2019, dois casos. O coeficiente de detecção do vírus foi de 74,6 casos por 100 mil habitantes.

De acordo com o mapa abaixo, quando se compara 2014 com 2019, o aumento de detecção de HIV também foi maior em Sobradinho, que apresentava, em 2014, o coeficiente de infecção entre 10 e 20 casos por 100 mil habitantes, ficando entre 30 e 40 em 2019. No Gama também houve aumento, passando de 20 a 30 casos para cada 100 mil habitantes em 2014 para 30 a 40 casos por 100 mil habitantes em 2019.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O mapa traz redução no coeficiente de infecção no Cruzeiro, que era entre 40 e 50 casos por 100 mil habitantes em 2014 regredindo para entre 10 e 20 casos para cada 100 mil habitantes. De acordo com o mapa, também houve redução em Sobradinho II, Vicente Pires, Taguatinga, Candangolândia e Lago Sul.

Dos casos de Aids, o Paranoá se manteve com o coeficiente de detecção entre 17 e 23 casos por 100 mil habitantes entre 2014 e 2019. Também ficaram estáveis as regiões de Sobradinho II, Santa Maria, Ceilândia, Riacho Fundo II, Varjão e Planaltina, com coeficiente de 6 a 12 casos por 100 mil habitantes. As demais regiões administrativas apresentaram redução, sendo a mais significativa no Lago Norte, que tinha em 2014 o coeficiente de detecção de 23 a 30 casos por 100 mil habitantes regredindo para 0 a 6 casos em 2019.

Mortalidade por Aids

O coeficiente de mortalidade por aids (por 100 mil habitantes), no Distrito Federal, de 2014 a 2019, apresentou redução de 30% passando de 4,6 para 3,2 óbitos por 100 mil habitantes. Nesse período, a Região de Saúde Norte (Planaltina, Sobradinho, Sobradinho II e Fercal) foi a única que apresentou aumento (81%), passando de 1,7 para 3,1 óbitos por Aids a cada 100 mil habitantes.

As maiores reduções foram observadas nas Regiões de Saúde Sul (Gama e Santa Maria) e Centro-Sul (Guará, Estrutural, Sia, SCIA, Candangolândia, Núcleo Bandeirante, Park Way, Riacho Fundo I e Riacho Fundo II), com 53,5% e 52,7%, respectivamente.

Em 2019, as Regiões Oeste (Ceilândia, Brazlândia e Sol Nascente/Pôr do Sol), Sul e Leste (Paranoá, Itapoã, São Sebastião e Jardim Botânico) apresentaram coeficientes de mortalidade por Aids superiores aos do Distrito Federal como um todo. Nesse mesmo ano, o coeficiente na Região Centro-Sul voltou a crescer, com 22,2% de aumento. A Região Norte também apresentou aumento (21,5% em relação a 2018).

No Distrito Federal, a queda foi de 15,2%, comparados os dois últimos anos analisados. Em números absolutos, foram 671 mortes por Aids entre 2014 e 2019, sendo 73,2% (491) em homens e 26,8% em mulheres (180).

Saiba como se cuidar

Em todas as 172 unidades básicas de saúde e no Núcleo de Testagem e Aconselhamento (NTA), localizado na Rodoviária do Plano Piloto, são oferecidos testes, sendo na maioria rápidos, para detecção do HIV. Essas unidades disponibilizam, durante todo o ano, preservativos masculinos e femininos e gel lubrificante.

A rede pública de saúde oferece a Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PrEP) disponibilizada no Hospital Dia e no Hospital Universitário de Brasília, como estratégia de prevenção, além do uso de preservativos. A PrEP é disponibilizada para populações de maior vulnerabilidade e que tenham práticas de maior risco para infecção pelo HIV.

Com informações da Agência Brasília




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade