fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Bares e restaurantes poderão ficar abertos até depois de 23h nas vésperas de Natal e Ano Novo

Após restringir o horário de funcionamento dos estabelecimentos em prevenção ao novo coronavírus, GDF flexibiliza a medida nas datas festivas

Willian Matos

Publicado

em

PUBLICIDADE

Após restringir o horário de funcionamento de bares e restaurantes da capital, o Governo do Distrito Federal decidiu promover uma flexibilização específica. Os estabelecimentos poderão ficar abertos até depois das 23h excepcionalmente nos dias 24 e 31 de dezembro, vésperas de Natal e Ano Novo, respectivamente.

A medida foi publicada no Diário Oficial (DODF) nesta quinta-feira (3).

Na quarta (2), o governador Ibaneis Rocha decretou que bares e restaurantes deverão fechar, no máximo, às 23h, todos os dias da semana. Ibaneis justificou a restrição afirmando que baladas geralmente funcionam à noite e registram mais casos de descumprimento às medidas de prevenção ao novo coronavírus.

“A gente tem notado, através da fiscalização do DF Legal, que a maior desobediência a uso de máscara e distanciamento tem sido justamente nas baladas, e as baladas geralmente começam às 23 horas”, comentou o governador. “Foi exatamente por isso que escolhemos o horário.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No último fim de semana, o DF Legal vistoriou bares e restaurantes para verificar se estavam sendo cumpridas as medidas de prevenção, como distanciamento, disponibilização de álcool em gel, entre outras. Foram 84 estabelecimentos vistoriados: 20 deles tiveram de ser interditados, e outros 23 foram autuados.

Ibaneis afirma estar tranquilo em relação à decisão e sinaliza que os restaurantes não serão altamente prejudicados. “As famílias que quiserem procurar os restaurantes, ninguém procura um restaurante após às onze horas da noite. Então, eu estou tranquilo. A medida foi tomada de forma consciente”, cravou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O decreto que restringiu o horário foi publicado por volta de meio-dia, na terça (1), e já teria de ter sido respeitado à noite, poucas horas depois. No entanto, por conta do curto prazo, alguns estabelecimentos acabaram extrapolando o limite determinado. Sobre isso, Ibaneis disse que o GDF e as forças de segurança do DF serão “mais duros”. “Nós estamos fazendo uma portaria conjunta. Vamos juntar a Polícia Militar (PMDF) nessa fiscalização, e nós vamos ser um pouco mais duros com eles”, assegurou.

Em relação a novas medidas de restrição, o chefe do Executivo local disse que não pretende avançar, a menos que a população siga desrespeitando medidas. “Vamos avaliar daqui para frente, vamos ver se a população entende esse nosso chamamento para responsabilidade ao uso de máscara e distanciamento. Se tudo correr bem, nós não temos necessidade de restringir mais nada.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segunda onda

A restrição tem como justificativa a prevenção à alta de casos de covid-19 no DF. Na segunda (29), o secretário de Saúde, Osnei Okumoto, admitiu que a taxa de transmissão da doença aumentou de 1 para 1,3. Isso significa que um cidadão infectado tem transmitido o vírus para mais de uma pessoa. Pode ser a prévia de uma segunda onda da doença na capital.

O boletim mais recente do GDF aponta que já são 230.122 o número de infectados pela doença na capital. Destes, 3.939 perderam a vida, e 7.102 estão com o vírus ativo no organismo.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade