fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

“Adote uma bailarina”: projeto usa a dança para transformar vida de crianças

Essa foi uma das iniciativas escolhidas pelo Sema de Samambaia para receber recursos advindos de processos de violência doméstica

Aline Rocha

Publicado

em

Foto: Divulgação/MPDFT
PUBLICIDADE

De acordo com o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), a partir de recursos da Promotoria de Justiça de Samambaia, o Instituto Social Embalando Sonhos (Ises) conseguiu adquirir uniformes para 60 meninas de 4 a 16 anos que participam da oficina de balé promovida pela entidade.

A instituição recebeu, na última sexta-feira (20), a visita de promotores de Justiça e servidores do MPDFT para conhecerem o projeto “Adote uma bailarina”. Essa foi uma das iniciativas escolhidas pelo Setor de Medidas Alternativas (Sema) de Samambaia por meio do projeto “Nós podemos muito mais”, do MPDFT, para receber recursos advindos de processos de violência doméstica.

“É gratificante ver que o nosso trabalho, além do viés punitivo, tem também um viés social, de fazer com que os mais carentes tenham acesso a práticas esportivas, culturais e de lazer”, destacou a titular da 2ª Promotoria de Justiça Especial Criminal e de Defesa da Mulher em Situação de Violência Doméstica de Samambaia, Camila Britto.

Para Lady Laura Costa, presidente do Ises, o apoio do Ministério Público é fundamental para viabilizar um futuro para as crianças de famílias carentes moradoras de uma região de vulnerabilidade social. “Quando elas vestem um uniforme de balé, deixam de ser uma criança normal, e passam a se identificar com o que elas querem ser, o sonho de um dia ser uma bailarina. Elas têm o exemplo aqui de quem começou como aluna no projeto e hoje é professora”, reforçou. A servidora do Sema Thayane do Amaral complementou: “O MP está alcançando, por meio das medidas alternativas, a parcela mais carente e vulnerável da sociedade”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A promotora de Justiça Hiza Maria Lima, Assessora de Medidas Alternativas do MPDFT, é necessário mudar o entendimento de que medida alternativa é somente o pagamento de cesta básica. “O apoio do MPDFT não pode ser visto pela comunidade como um favor, mas sim como uma ação responsável do Estado que tem por objetivo dar efetividade às medidas alternativas. Ao trabalharmos mais próximos às instituições, conseguimos transformar de fato a realidade, revertendo um dano causado à sociedade em seu benefício, concretizando ações de cidadania”, concluiu.

 

Com informações do MPDFT


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade